Ana Gomes denuncia "irregularidades" no Espírito Santo

Eurodeputada do PS escreveu carta ao presidente do BCE, Mario Draghi, onde pede que sejam fiscalizadas as "irregularidades" no Espírito Santo Financial Group.

A deputada socialista no Parlamento Europeu, Ana Gomes, escreveu esta quinta-feira duas cartas dirigidas a Mario Draghi, presidente do Banco Central Europeu (BCE), e a Andrea Enria, presidente da Autoridade Bancária Europeia, onde denuncia "irregularidades" no Espírito Santo Financial Group (ESFG).

Nas cartas, divulgadas no seu site de eurodeputada, Ana Gomes recorda que "recentemente foram reportadas 'sérias irregularidades' em contas" da Espírito Santo Internacional, que passaram por "omissões na contabilidade de passivos" ("segundo a imprensa", no valor de 1,2 mil milhões de euros, explica a eurodeputada) e "sobrevalorização de ativos".

Outra irregularidade apontada relaciona-se com o Banco Espírito Santo Angola (BESA), que terá perdido o rasto a 5,7 mil milhões de dólares (cewrca de 4,2 mil milhões de euros).

Avisando que estas "irregularidades" colocam "em risco" os sistemas bancários europeu e português, Ana Gomes insiste numa investigação das entidades europeias ao grupo financeiro português, mas também aos supervisores em Portugal, o Banco de Portugal e a CMVM, que "não declararam quaisquer interdições (...) contra os executivos de topo do ESFG/GES/BES".

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.