Amigos de Olivença exigem resolução de "litígio fronteiriço"

O Grupo dos Amigos de Olivença vai marcar presença, na quarta-feira, na XXV Cimeira Luso-espanhola, no Porto, para alertar os chefes de Governo de Portugal e Espanha para a situação daquela localidade fronteiriça.

O presidente do Grupo dos Amigos de Olivença, Fernando Castaninha, adiantou hoje à Agência Lusa que a delegação presente no Porto será "simbólica", mas que tem como objetivo chamar a atenção dos dois governos no sentido de resolverem o "litígio fronteiriço".

O Grupo dos Amigos de Olivença, criado em 1938, tem apelado aos Executivos de Lisboa e Madrid para iniciarem conversações que conduzam à reintegração de Olivença em Portugal.

"O que nós queremos é incentivar e encorajar o Governo português a pôr em cima da mesa diplomática a questão de Olivença e exigir a Espanha a retroação de Olivença para que o Tratado de Olivença volte ao território nacional", defendeu.

De acordo com o Grupo dos Amigos de Olivença, o "litígio dificulta o normal desenvolvimento de boas e sadias relações entre dois estados vizinhos e amigos e não pode nem deve continuar escondido ou negado".

Fernando Castaninha defendeu que a reintegração de Olivença deverá ser feita "através de uma fase de transição de 20 a 30 anos", num processo idêntico ao de "Hong Kong e Macau".

Olivença, historicamente disputada por Portugal e Espanha, está localizada na margem esquerda do rio Guadiana, encontrando-se a 23 quilómetros da cidade portuguesa de Elvas e a 24 quilómetros da espanhola Badajoz.

Ler mais

Exclusivos

Opinião

DN+ O sentido das coisas

O apaziguamento da arena de conflitos em que perigosamente tem sido escrita a história das relações entre as potências no ano corrente implica uma difícil operação de entendimento entre os respetivos competidores. A questão é que a decisão da reunião das duas Coreias, e a pacificação entre a Coreia do Norte e os EUA, não pode deixar de exigir aos intervenientes o tema dos valores de referência que presidam aos encontros da decisão, porque a previsão, que cada um tem necessariamente de construir, será diferente no caso de a referência de valores comuns presidir a uma nova ordem procurada, ou se um efeito apenas de armistício, se conseguido, for orientado pela avaliação dos resultados contraditórios que cada um procura realizar no futuro.

Opinião

DN+ João

Os floristas da Rua da Alegria, no Porto, receberam uma encomenda de cravos vermelhos para o dia seguinte e não havia cravos vermelhos. Pediram para que lhes enviassem alguns do Montijo, onde havia 20, de maneira a estarem no Porto no dia 18 de julho. Assim foi, chegaram no dia marcado. A pessoa que os encomendou foi buscá-los pela manhã. Ela queria-os todos soltos, para que pudessem, assim livres, passar de mão em mão. Quando foi buscar os cravos, os floristas da Rua da Alegria perguntaram-lhe algo parecido com isto: "Desculpe a pergunta, estes cravos são para o funeral do Dr. João Semedo?" A mulher anuiu. Os floristas da Rua da Alegria não aceitaram um cêntimo pelos cravos, os últimos que encontraram, e que tinham mandado vir no dia anterior do Montijo. Nem pensar. Os cravos eram para o Dr. João Semedo e eles queriam oferecê-los, não havia discussão possível. Os cravos que alguns e algumas de nós levámos na mão eram a prenda dos floristas da Rua da Alegria.

Opinião

DN+ Quem defende o mar português?

Já Pascal notava que através do "divertimento" (divertissement) os indivíduos deixam-se mergulhar no torpor da futilidade agitada, afastando-se da dura meditação sobre a nossa condição finita e mortal. Com os povos acontece o mesmo. Se a história do presente tiver alguém que a queira e possa escrever no futuro, este pobre país - expropriado de alavancas económicas fundamentais e com escassa capacidade de controlar o seu destino coletivo - transformou 2018 numa espécie de ano do "triunfo dos porcos". São incontáveis as criaturas de mérito duvidoso que através do futebol, ou dos casos de polícia envolvendo tribalismo motorizado ou corrupção de alto nível, ocupam a agenda pública, transformando-se nos sátiros da nossa incapacidade de pensar o que é essencial.