Almeida Santos lamenta polémica com capitães de Abril

Almeida Santos lamentou hoje que os capitães de Abril fiquem de fora das comemorações oficiais dos 40 anos do 25 de Abril de 74 na Assembleia da República (AR), onde assistirá às cerimónias.

O antigo presidente da AR (1995-2002) acrescentou que "infelizmente a polémica já aconteceu", manifestando desagrado pela forma como a questão foi tratada.

O presidente honorário do Partido Socialista destacou, ainda à margem da sessão "O fim do Império e a descolonização", no âmbito do congresso internacional "A Revolução de Abril. Portugal 1974-75", a decorrer em Lisboa, a necessidade de reforçar o poder político, "completamente dominado" pelo poder económico.

Na intervenção, no âmbito do congresso, Almeida Santos destacou o papel heróico dos Capitães de Abril, "pela coragem, pelo equilíbrio e pela sensatez com os quais foram capazes de exercerem temporariamente o poder político, sem dele se apoderarem. Heróis que foram capazes, após o período revolucionário, de assumir a modéstia do dever cumprido".

O Alto Comissário da ONU para os Refugiados e antigo primeiro-ministro português (1995-2002), António Guterres, afirmou que "atualmente não seria possível mobilizar uma intervenção da comunidade internacional" como a que aconteceu em setembro de 1999.

"Na altura vivíamos num mundo em que as relações de poder eram claras. Hoje vivemos num mundo em que as relações de poder não são claras e hoje, estou inteiramente convencido, se o mesmo acontecesse não teria sido possível mobilizar uma intervenção da comunidade internacional", como a que salvou a população de Timor-Leste do genocídio.

Num vídeo enviado ao congresso, Guterres lembrou o processo que levou à independência de Timor-Leste e posteriormente à intervenção internacional para evitar o genocídio, após o referendo de agosto de 1999, organizado pela ONU.

"Garantir o caminho de Timor-Leste para a independência foi a conclusão do ciclo colonial de Portugal", disse.

O brigadeiro Pedro Pezarat Correia, autor de vários estudos sobre a descolonização, e Vasco Vieira de Almeida, antigo ministro do primeiro governo provisório (maio a julho de 1974), destacaram a importância da descolonização para a liberdade em Portugal.

"Sem o 25 de Abril, Portugal teria falhado o encontro com a descolonização. Sem a descolonização, Portugal teria falhado o encontro com a liberdade", declarou Pezarat Correia.

"A participação de Portugal na descolonização de África foi aquela que devia ter sido", com o reconhecimento do direito à independência dos povos, transferência de soberania para os movimentos independentistas, protagonistas da descolonização, e assegurar uma cooperação futura, disse.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.