Governo diz que documento sobre 'swaps' foi forjado

Haverá dois ficheiros sobre as três reuniões que o secretário de Estado Pais Jorge terá tido com o anterior governo, durante as quais, ao serviço do Citigroup, terá oferecido os produtos de alto risco da instituição a que pertencia para ajudar a mascarar a dívida pública.

Entre eles haverá várias diferenças que levaram a que, de manhã, no 'briefing' governamental, fosse dito que existiam "inconsistências problemáticas" no que tem sido dito sobre Pais Jorge.

Esses ficheiros são um documento intitulado "Uma proposta para a gestão de dívida da República Portuguesa" (no original, em inglês, A Liability Management Proposal for the Republic of Portugal), em que consta o nome de Pais Jorge - e que está na origem das notícias da Visão e foi mostrado na SIC, na segunda-feira; e outro documento, que está depositado no arquivo do IGCP, que provará as "inconsistências problemáticas". Ou seja: não é igual ao documento que foi mostrado, a apresentação terá sido forjada.

Ao DN, a assessoria de imprensa das Finanças explicou que estas se traduzem em quatro diferenças: as páginas do documento original do Citigroup, que está no IGCP, estão numeradas, ao contrário da versão que terá sido entregue aos jornalistas; a apresentação que está no arquivo do IGCP tem a data de 1 de julho na capa, a outra não; o nome de Pais Jorge surge na versão do "Citi" num organograma da "equipa de infraestruturas" e não na equipa que elaborou o projeto de produtos derivados, os chamados swaps; e o logótipo do banco está localizado em sítios diferentes nessa página, dependendo das versões.

Este esclarecimento não refuta que o secretário de Estado do Tesouro tenha estado nas reuniões com o Governo de Sócrates, onde foram entregues propostas para maquilhar as contas do défice público. Sobre isso, nem uma palavra.

Aliás, Pais Jorge chegou tarde às explicações sobre a sua presença, enquanto diretor do Citybank Coverage Portugal, em três reuniões com o Governo de José Sócrates, em 2005, algo que admitiu já na noite de segunda-feira, em resposta à SIC. E só depois de confrontado com o referido documento.

Fonte governamental confirmou ao DN que o secretário de Estado do Tesouro esteve ontem à noite reunido com a ministra das Finanças, Maria Luís Albuquerque. Mas, a assessoria de imprensa do ministério das Finanças "desconhecia" qualquer pedido de demissão de Pais Jorge.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG