Ferreira Leite diz para não se matar doente com tratamento

A ex-ministra social-democrata Manuela Ferreira Leite defendeu ontem, em Setúbal, que a consolidação das contas públicas devia ser feita de uma forma "mais lenta, mais pausada, para não se matar o doente com o tratamento".

"Há apenas uma saída [para o país]: um tratamento mais lento, mais pausado, para não matarmos o doente com o tratamento, em vez de o deixarmos morrer pela doença", disse Manuela Ferreira

A ex-líder do PSD, que falava em Setúbal, no ciclo de conferências sobre "Consolidação, Crescimento e Coesão", promovido pelo PSD em todo o país, considerou também que o memorando com a 'troika' "estabeleceu determinado número de regras que não se adaptam à realidade do país".

Segundo Manuela Ferreira

Manuela Ferreira

A antiga ministra das Finanças explicou que uma grande parte da população portuguesa não paga impostos porque não tem rendimentos que o justifiquem e que uma outra parte, com rendimentos elevados, também não é tributada como devia ser, pelo que só a classe média e média e média baixa é que pagam impostos.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG