Ex-engenheiro da Smith & Pedro vai ser acareado

O engenheiro civil João Cabral regressa, a 3 de julho, ao Tribunal do Barreiro, para um frente a frente com três advogados, a fim de esclarecer se estes pediram verbas para a viabilização do outlet de Alcochete.

João Cabral, antigo engenheiro civil da Smith & Pedro, falou hoje perante o Tribunal do Barreiro, onde testemunhou, pela segunda vez, no âmbito do processo Freeport devido a falhas na gravação, acabando por responder a novas questões, o que desagradou à advogada de defesa dos arguidos, Paula Lourenço.

Depois de vários requerimentos, o presidente do coletivo de juízes acabou por viabilizar o pedido do procurador da República Vítor Pinto, para que João Cabral fosse acareado com os advogados José Gandarez, Albertino Antunes e Alexandre Oliveira a fim de se apurar a verdade sobre o alegado pedido feito por estes à empresa de consultoria Smith & Pedro de uma verba inicial de dois milhões para contornar o segundo chumbo à construção do outlet de Alcochete (dezembro de 2001).

A acareação surge depois de declarações contraditórias prestadas em julgamento.

Quando foram ouvidos pela primeira vez neste tribunal, os três advogados admitiram ter-se reunido com os coarguidos do processo para tratarem de problemas técnicos.

Uma informação corroborada hoje por João Cabral, mas na qual o engenheiro civil sublinhou ter havido pedido de verbas, com as quais não concordou, assim como os coarguidos Charles Smith e Manuel Pedro - uma verba que considerou "do outro mundo", disse.

O processo Freeport tem como arguidos os ex-sócios Charles Smith e Manuel Pedro, que são acusados de tentativa de extorsão.

João Cabral é um dos intervenientes numa reunião registada em suporte DVD em que alegadamente foram mencionados supostos pagamentos ilícitos para a viabilização daquele centro comercial em Alcochete ao então ministro do Ambiente José Sócrates.

À saída do tribunal, em declarações à imprensa, João Cabral disse que já se tinham passado "tantos anos [que], para mim, o DVD é virtual, portanto não existe".

"Vocês interpretem como quiserem, não sei se sou eu que lá estou [no DVD]; é virtual pura e simplesmente", disse João Cabral, sublinhando, porém, que "deve ser outro que não eu, bem disfarçado".

Para 2 de julho está prevista a audição de Sean Collidge e, no dia 5, de Rik Dattani, ambos do Freeport.

No dia 6, está prevista a audição de testemunhas abonatórias durante a manhã e, à tarde, a audição do coarguido Charles Smith, enquanto o testemunho de Manuel Pedro está agendado para dia 9.

As alegações finais estão previstas para dia 12 e deverão começar às 09:30.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG