Estudantes recusam almoçar com Passos Coelho

Associação Académica de Coimbra recusou o convite do primeiro-ministro para um almoço na terça-feira, Dia do Estudante. "Os problemas não se resolvem em almoços".

"O Dia do Estudante deve ser celebrado com os estudantes, unidos, a reivindicar por melhores condições e por um ensino superior com mais qualidade", sublinhou o presidente da AAC, Bruno Matias, referindo que esta posição surge em sentido contrário à da maioria do movimento associativo nacional, que se irá sentar à mesa com Pedro Passos Coelho.

Para o dirigente estudantil, a presença na rua nesse dia "é mais importante do que almoços com o primeiro-ministro", de cujos resultados políticos duvida assim como da "discussão profunda" do ensino superior português.

"Os problemas não se resolvem em almoços", apontou Bruno Matias, considerando o convite "deselegante".

O presidente da AAC recordou que a associação de estudantes tinha já convidado o Governo a estar presente no dia 24 de março em Coimbra, para conhecer "as dificuldades dos estudantes", tendo esse mesmo convite sido recusado.

"Era expectável", comentou, criticando a atitude "cobarde" do Governo de se recusar a conhecer os problemas da comunidade estudantil.

Quanto à presença no almoço da maioria das associações de estudantes, Bruno Matias salientou que a AAC "tem uma visão diferente do restante movimento associativo".

No Dia do Estudante, a AAC vai promover um cordão humano com os estudantes com as mãos e pés atados em protesto contra os cortes no ensino superior, após uma arruada do Largo Dom Dinis ao edifício da associação académica, que deverá começar às 13:00.

Esta manifestação simbólica foi aprovada a 9 de março, em assembleia magna de estudantes.

Na altura, Bruno Matias referiu que a manifestação pretende mostrar "solidariedade" para com aqueles que abandonaram o ensino superior, querendo a AAC "trabalhar para que mais nenhum volte a abandonar e para que os outros voltem" a estudar.

Nessa mesma assembleia magna, foi rejeitada uma proposta de manifestação em Lisboa, que mereceu o voto contra do presidente da AAC, que afirmou que se tem de "aguardar pelo final dos processos" relativos ao novo modelo de financiamento e à alteração do regulamento de atribuição de bolsas antes de se avançar com protestos a nível nacional.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?