"Estado tem de fazer a sua reforma", avisa Miguel Macedo

O ministro da Administração Interna foi o único a falar da reforma do Estado, cujo guião deverá ser apresentado pelo Governo na quarta-feira, nas jornadas parlamentares conjuntas PSD/CDS, lembrando que "as empresas já fizeram a sua parte do ajustamento".

Se os outros ministros evitaram - pelo menos diante dos jornalistas - abordar o dossiê da reforma do Estado, Miguel Macedo foi em contra-corrente e deixou um recado interno ao Governo e à maioria parlamentar PSD/CDS-PP: O esforço do ajustamento já foi feito pelo setor privado, cabe agora ao Estado cumprir a sua parte.

No último painel desta segunda-feira das jornadas parlamentares conjuntas de sociais-democratas e centristas, o ministro da Administração Interna foi taxativo: As empresas já fizeram o ajustamento que tinham a fazer. Viraram-se para fora e têm agora capacidade inovadora e exportadora e estão a criar emprego. O Estado tem hoje de fazer a sua reforma e a sua mudança para que seja mais eficiente e mais apto a responder às exigências da sua própria máquina e dos cidadãos."

O governante defendeu, por isso, ser impreterível que se diminua a despesa pública para que o objetivo da redução da carga fiscal sobre as famílias e sobre as empresas seja viável e explicou, por outro lado, que "contas sólidas" são, no seu entender, determinantes para atrair "investimento externo" e garantir a "paz social".

Macedo, numa intervenção de aproximadamente dez minutos, salientou que 2014 vai ser um "ano exigente do ponto de vista da execução orçamental", mas frisou que quando o documento for aprovado na Assembleia da República Portugal "estará a seis meses do final do resgate".

A terminar, o ministro da Administração Interna lançou também críticas ao PS e uma mensagem de encorajamento aos deputados da maioria: "Daqui a uns anos vai-se fazer a História destes tempos duros e a História vai ter um resumo: Houve um Governo que nos levou a bancarrota e houve outro Governo que nos tirou da bancarrota. O resto é assessório."

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG