"Esta crise financeira é a queda do muro de Berlim do centro-esquerda"

Membro do Fórum Manifesto, Daniel Oliveira diz que se o PS optar por "austeridade boazinha" colocará em causa diálogo à esquerda, do qual não exclui o PS. Está a preparar um movimento, sobre o qual não abre o jogo. Defende que partido como o Podemos seria impossível em Portugal

Surpreende-o que o Podemos (partido herdeiro do movimentos dos indignados) esteja à frente das sondagens em Espanha?

Minto se disser que não me surpreende. Até por ter sido tão depressa: o Podemos tem oito meses e conseguiu 27%. Mas não me surpreende totalmente porque estamos a assistir a fenómenos em vários países europeus, que trazem uma evidência: que o sistema político-partidário tradicional está a ruir. E em Espanha o Podemos encarna a resistência à austeridade feita pelos movimentos sociais na rua.

Um fenómeno deste género poderia ocorrer em Portugal?

Não. Se falarmos do fenómeno europeu, acho que vai acabar por se sentir em Portugal. Pode-se sentir em apelos populistas; no aparecimento de espaços políticos, tendencialmente à esquerda; Ou então na pura desistência para a abstenção. Pode acontecer uma destas três coisas. Mas nunca como o Podemos, por uma razão: o Podemos nasce de uma rede de movimentos sociais muito poderosa em Espanha, que não existe em Portugal.

Mas Portugal teve o 15 de setembro (2012), com um milhão de pessoas em Lisboa e milhares no resto do país.

A diferença é que em Espanha esse movimento durou desde essa altura até hoje - porque se baseia em movimentos sociais sólidos - mas em Portugal não há esse tipo de forças, a não ser os sindicatos, que não têm essa apetência.

Mas há aqui um espaço que pode ser ocupado. Que partido poderia capitalizar este eleitorado em Portugal? O Bloco de Esquerda (BE)? O Livre? Ou outros?

É difícil organizações políticas que estão em processo de queda eleitoral desempenharem um papel que exige sempre alguma frescura e novidade, como trouxe o Podemos. Não imagino que o PCP ou o BE possam ocupar esse espaço, que pode ser ocupado pelo Livre e outros movimentos que entretanto surjam. Mas falo em causa própria e por isso não desenvolvo...

...quer concretizar que projeto é esse em que está envolvido?

Não quero falar sobre isso. Digo-lhe apenas que é um projeto político que inclui pessoas do Manifesto, como eu e a Ana Drago, pessoas do Livre e independentes, que poderiam ocupar esse espaço.

Leia mais na edição impressa e no DN E paper

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG