"Despedimentos ilegais" levam a "recorde histórico"

O líder do BE, Francisco Louçã, atribuiu hoje o "recorde histórico" da taxa de desemprego à permissão que foi dada às empresas para despedirem ilegalmente os trabalhadores.

"Quando os números do desemprego hoje registam mais 50 mil desempregados em tão pouco tempo, quando atingimos o recorde histórico é porque foi permitido facilitar o desemprego, porque foi permitido despedir ilegalmente trabalhadores", afirmou Francisco Louçã, no final de um encontro com uma delegação dos 113 trabalhadores do Casino do Estoril que foram alvo de um processo de despedimento coletivo.

Segundo dados divulgados esta manhã pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), a taxa de desemprego em Portugal atingiu os 14,9 por cento da população ativa no primeiro trimestre de 2012, o nível mais alto de sempre.

Esta taxa equivale a 819,3 mil trabalhadores no desemprego - mais 48,3 mil pessoas que no trimestre anterior, e mais 130,4 mil pessoas do que no primeiro trimestre de 2011.

Apontando o caso do despedimento dos trabalhadores do Casino do Estoril como um dos casos de "despedimento ilegal" que têm ocorrido por todo o país, o líder do BE considerou que "lutar contra o desemprego é defender cada um dos desempregados" e impedir que se registem "estes casos sucessivos de abusos de empresas".

"Temos de parar esta sangria e é agora que ela deve ser parada", frisou Francisco Louçã.

O líder do BE lembrou a propósito do Casino do Estoril que é uma empresa que mantém resultados positivos e tem lucros importantes, mas optou por despedir 113 trabalhadores para substituir grande parte deles por outros trabalhadores em condições mais precárias ou com salários mais baixos.

"Portanto, é um despedimento ilegal", sustentou.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG