Derrotado do PS Leiria diz que afinal foi vencedor

O candidato António Sales declarou-se ontem à noite vencedor das eleições à Federação Distrital de Leiria, que no dia 5 deram a vitória a José Miguel Medeiros por sete votos, na sequência do "boicote" em Pombal e Óbidos.

"Depois da situação que ocorreu hoje, assumimos a vitória neste processo eleitoral e voltaremos a dirigir-nos aos militantes em breve, antecipando a ação política do cargo que nos foi democraticamente confiado", afirmou António Sales em conferência de imprensa, na sede do PS, em Leiria.

O antigo governador civil de Leiria José Miguel Medeiros, apoiante de António Costa nas primárias do partido, ganhou as eleições para a Federação Distrital do PS no dia 5, derrotando o seu único adversário, António Sales, que expressou apoio ao secretário-geral, António José Seguro.

Cinco dias depois, o presidente da Comissão Organizadora do Congresso (COC), Delfim Azevedo, revelou que as eleições iriam ser repetidas nas concelhias de Pombal, Óbidos e Alcobaça, neste último caso apenas para delegados ao congresso. Nestas secções não se realizou o ato eleitoral previsto.

"Em relação a Pombal, eu recebi comunicação de que existia um militante que estava ausente do país e que aparecia descarregado nos cadernos eleitorais, como se tivesse votado", explicou na ocasião Delfim Azevedo, adiantando que, neste caso, "a COC decidiu, por unanimidade, remeter a documentação para o Ministério Público e para a Polícia Judiciária para averiguações".

No caso de Óbidos, "onde há nove militantes com capacidade eleitoral, a ata tinha sido assinada por um elemento que não tinha essa capacidade".

"Face ao boicote por parte da outra candidatura (...) não nos resta alternativa senão considerar o resultado homologado com um total de 607 votos, como o resultado do vencedor destas eleições, contra os 484 votos da candidatura adversária e, consequentemente, derrotada", acrescentou António Sales.

Segundo o também presidente da concelhia de Leiria, "se dúvidas houvesse quanto à existência de fraude nestes locais, hoje ficaram desfeitas".

Para o candidato, "com este tipo de atitude, como é o boicote de uma eleição que se quer livre e justa, atenta-se contra os princípios mais básicos da democracia e atenta-se contra a voz dos militantes".

"A nossa candidatura considera inqualificável o impedimento de um ato eleitoral através do boicote, tratando a importante expressão da democracia interna como um processo ultrapassável e, portanto, considerando o voto dos militantes como descartável ou até mesmo um obstáculo para uma estratégia de tomada de poder", referiu o candidato.

António Sales frisou que não aceita no PS que "o poder seja tratado como propriedade individual e intransmissível, usando, para esse efeito, estratégias como são o boicote de eleições e o desrespeito pelos órgãos do partido".

Confrontado com a existência de um recurso para a Comissão Nacional de Jurisdição, após a Comissão Federativa de Jurisdição ter chumbado o recurso da candidatura de Medeiros que pretendia anular a marcação da repetição de eleições, António Sales reiterou que se declara vencedor do ato eleitoral, mas garantiu respeitar todos os órgãos do partido e todas as suas decisões.

O presidente da COC remeteu hoje para terça-feira uma posição deste organismo relativamente a esta situação.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG