Coordenadora afirma que BE está "mais forte" que há 13 anos

A líder do Bloco de Esquerda (BE) Catarina Martins escusou-se hoje a comentar as propostas de três bloquistas que defendem o fim das correntes originais do BE, mas afirmou que o partido tem 13 anos e está mais forte.

"O Bloco de Esquerda tem 13 anos, foi formado por partidos diferentes, por movimentos diferentes, queriam dar resposta às necessidades concretas, transformação do país", recordou Catarina Martins na sua intervenção nas jornadas autárquicas, que arrancaram hoje no Porto e terminam este domingo.

A dirigente do BE acrescentou que hoje o partido "está mais forte" e "mais coeso" na liberdade e na pluralidade.

"Aqui estamos, 13 anos depois, muito maiores do que aquilo que o Bloco era no início, com muito mais gente, muito mais pluralidade e muito mais coesão nessa pluralidade e nessa liberdade, com muita mais resposta para dar numa esquerda que se quer popular, combativa, de liberdade, de homens e mulheres que não viram a cara aos combates mais difíceis".

Catarina Martins lembrou várias bandeiras e combates de sempre do BE.

"Hoje não há quem não reconheça no Bloco essa capacidade de ter ideias locais e de lutar por elas, na reabilitação urbana, no acesso à habitação, naquilo que são os serviços públicos, no combate às negociatas com a água ou as negociatas pelo acesso à população ou à cultura (...)", enumerou, afirmando que "é um grande percurso".

As propostas de Francisco Louçã, ex-coordenador do BE, João Semedo, atual líder (com Catarina Martins), e de Manuel Pureza, antigo líder parlamentar, constam de um texto de dez páginas, a que a agência Lusa teve acesso na sexta-feira à noite.

O documento é uma segunda versão de um texto finalizado pelos três bloquistas no fim de 2012 e que foi apresentado pela primeira vez aos aderentes do partido há algumas semanas.

Neste documento, os três bloquistas defendem o fim das correntes originais do BE e a criação do "Socialismo", uma nova corrente que propõem fundar numa conferência nacional em abril.

O BE foi fundado em 1999 por Francisco Louçã, Luís Fazenda, Miguel Portas e Fernando Rosas e através da aproximação da UDP, do PSR e da Política XXI, três partidos hoje sob a forma de associações políticas e que representam as correntes fundadoras do partido.

Exclusivos

Premium

Legionela

Maioria das vítimas quer "alguma justiça" e indemnização do Estado

Cinco anos depois do surto de legionela que matou 12 pessoas e infetou mais de 400, em Vila Franca de Xira, a maioria das vítimas reclama por indemnização. "Queremos que se faça alguma justiça, porque nunca será completa", defende a associação das vítimas, no dia em que começa a fase de instrução do processo, no tribunal de Loures, que contempla apenas 73 casos.