Constâncio diz que era impossível calcular o custo da nacionalização em 2008

O ex-Governador do Banco de Portugal, Vítor Constâncio, explicou hoje que quando foi tomada a decisão de nacionalização do BPN, em 2008, era impossível calcular o seu custo para os cofres públicos, considerando que isso acontece em qualquer nacionalização.

"Na altura não era possível fazer qualquer cálculo sobre quanto é que a nacionalização iria custar no fim", afirmou o atual vice-presidente do Banco Central Europeu (BCE), acrescentando que "em nenhuma nacionalização isso é possível".

Constâncio defendeu ainda a decisão da nacionalização do Banco Português de Negócios (BPN), salientando que era a única possível para assegurar a estabilidade do sistema bancário português.

"Esperámos até final de outubro para que surgisse um parceiro capaz. Houve contactos com bancos portugueses para que entrassem no banco evitando o risco de contágio. Apareceu a hipótese da CGD comprar o BPN, mas as negociações foram rejeitadas pela administração do BPN", revelou.

"Não havia parceiro estratégico, as negociações para a CGD comprar falharam, os acionistas adiaram o aumento de capital, e continuava a hemorragia dos depósitos, num momento complicadíssimo para a banca. Não havia outra solução senão a nacionalização", reforçou.

Sobre a proposta apresentada pela administração de Miguel Cadilhe para recuperar o banco, Constâncio afirmou: "Não teria nenhum problema em deixar Cadilhe à frente do banco, tinha uma equipa de gestão integra e competente. Mas o plano que tinham para salvar o banco era irrealizável".

Constâncio explicou que as premissas que constavam do 'plano Cadilhe' eram demasiado otimistas face ao ambiente altamente negativo que envolvia o setor bancário, após a falência do banco de investimento norte-americano Lehman Brothers, no auge da crise financeira.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG