Cigarras e formigas foi "homenagem a trabalhadores"

O ministro da Administração Interna afirmou hoje que quando disse que havia muitas cigarras e poucas formigas em Portugal referia-se, "em especial", aos trabalhadores por conta de outrem e aos pequenos e médios empresários, comerciantes e agricultores.

"Aquilo que quis significar com aquela declaração foi uma homenagem ao trabalho de todos aqueles que criam riqueza no país", disse Miguel Macedo, em Lisboa, à saída da cerimónia onde foi assinado um protocolo para apoio a refugiados e requerentes de asilo em Portugal.

No domingo, o ministro disse, na inauguração de um quartel de bombeiros em Campia, Vouzela, que Portugal "não pode continuar um país de muitas cigarras e poucas formigas".

Hoje, quando interrogado pelos jornalistas sobre o queria dizer com a declaração feita no distrito de Viseu, Miguel Macedo disse que se referia "aos trabalhadores por conta de outrem e aos pequenos e médios empresários, comerciantes e agricultores, que, pelo trabalho de formiga que todos os dias fazem, criam riqueza, mantém empregos e criam postos de trabalho em Portugal".

"Quis ao mesmo tempo sublinhar que em fase das dificuldades em que estamos -- mas também porque é uma evidente necessidade do país -- nós temos, em homenagem ao trabalho desses muitos portugueses, que fazer reformas que ajudem o país a criar bases sustentáveis de crescimento e enriquecimento futuro", acrescentou o ministro antes se retirar sem responder a quaisquer outras questões dos jornalistas.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG