CGTP quer 100 mil novas sindicalizações em quatro anos

Texto defende "mais e melhor ação sindical integrada". Objetivo inscrito numa das quatro resoluções e moção votadas pela central, que quer "reforçar a organização e aumentar a sindicalização".

Os objetivos que a CGTP estabelece para si como central sindical para os próximos quatro anos são ambiciosos: "100 000 novas sindicalizações; 10 000 novos mandatos de delegados sindicais; 1000 novos mandatos de representantes para SST [Saúde e Segurança no Trabalho]; rejuvenescer a organização inserido ainda mais jovens na organização de base, bem como nas comissões de jovens e na Interjovem."

Estes pontos estão enunciados numa resolução, votada hoje no XII Congresso da CGTP, que defende "mais e melhor ação sindical integrada - reforçar a organização e aumentar a sindicalização". No atual quadro de "sucessivos ataques aos direitos sociais e laborais", como define o texto da resolução, a CGTP considera que "a situação exige uma resposta articulada e concretizada a um só tempo: a ação sindical integrada entre a organização e a ação reivindicativa nos locais de trabalho", "entendendo esta como toda a ação desenvolvida pelo emprego com direitos, contra a precariedade, pelos salários, pelos direitos e por melhores condições de vida e de trabalho".

As outras duas resoluções alinham pela "defesa do Estado social", como "factor de desenvolvimento, coesão social, promoção de igualdade"; pedem "outra política", que pare com o "programa de agressão aos trabalhadores".

Na única moção a votos, a CGTP sublinha a necessidade de "uma Europa e um mundo justos, solidários, de cooperação, paz e progresso", onde se defende a solidariedade "com todos os trabalhadores e povos vítimas de ingerências, bloqueios, ocupações e agressões" - exemplos citados: Palestina, Iraque, Afeganistão "e outros da região do Médio Oriente", Cuba, Sara Ocidental e "tantos outros países, nomeadamente africanos, alvos da rapina" de interesses ocidentais.

Os quatro documentos foram aprovados, três deles por unanimidade.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG