CDS diz que doentes portugueses estão a morrer por "cegueira" do Governo

O líder do CDS-PP atribui culpas ao Governo pelos problemas no Serviço Nacional de Saúde (SNS) defendendo que os doentes portugueses "estão a morrer por cegueira ideológica". Franscisco Rodrigues dos Santos defendeu ainda que o primeiro-ministro António Costa está de costas voltadas com os madeirenses devido a recusa do aval a um empréstimo para fazer face aos efeitos da pandemia. O líder do CDS-PP acrescenta ainda que António Costa não tem de dar conselhos aos empresários sobre como gerir os negócios mas sim facilitar-lhes a vida.

Francisco Rodrigues dos Santos, líder do CDS-PP, criticou esta segunda-feira a atual situação do Serviço Nacional de Saúde (SNS), afirmando que os doentes portugueses "estão a morrer por cegueira ideológica" do Governo.

"Os nossos doentes estão a morrer sem cuidados de saúde por cegueira ideologia deste Governo que recusa abrir a assistência médica no setor particular e social que tem capacidade, como se tem visto na Madeira, para dar resposta a quem está a sofrer", declarou Francisco Rodrigues dos Santos numa ação de campanha eleitoral no centro da cidade de Câmara de Lobos, na ilha da Madeira.

O responsável centrista argumentou que a atual situação de pandemia da covid-19 veio demonstrar "a diferença que um governo de direita apresenta face a um governo de esquerda na gestão desta pandemia e do Serviço de Saúde".

Para o dirigente do CDS-PP, dados como "o entupimento das emergências dos hospitais, menos 100 mil mamografias do que se realizaram no ano passado, as filas de espera para consultas, exames e cirurgias cada vez maiores e um milhão de portugueses sem médico de família, prova que o nosso SNS não consegue chegar a todo o lado e está num estado verdadeiramente caótico por insuficiência de meios".

O líder do CDS-PP refutou as declarações do primeiro-ministro, mencionando que "acusou a direita de falsidade ao afirmar o estado periclitante em que se encontra o SNS".

"Todos estes dados comprovam que não está a ser possível a um doente em Portugal aceder a um bem consagrado constitucionalmente, que é o acesso à saúde", sublinhou.

Na opinião de Francisco Rodrigues dos Santos, "é hora de esta ministra da Saúde [Marta Temido] deixar de ser só ministra do SNS e preocupar-se em ser ministra de toda a capacidade instalada de saúde que existe no país, inclusivamente o setor particular e social".

Defendeu a necessidade de ser celebrado "um contrato de parceria com toda a capacidade instalada no setor particular e social para dar uma resposta a todos os doentes em Portugal que esperam e desesperam por um exame e uma consulta, uma cirurgia, e até uma consulta no médico de família para ter acesso aos cuidados de saúde primários, os mais básicos de todos".

O responsável centrista complementou ser a "hora de esta ministra da Saúde colocar um travão a fundo na ideologia e ter uma gestão eficaz dos meios de saúde ao serviço do país".

"Porque se a ministra da Saúde escolheu ser socialista no último congresso do PS, os nossos doentes não precisam de ser socialistas para terem acesso a cuidados de saúde", argumentou.

Francisco Rodrigues dos Santos reiterou que o partido vai apresentar a proposta da criação de uma via verde da saúde no próximo Orçamento de Estado.

A atual situação "demonstra o contraste entre governação socialista e governação de centro-direita como temos tido aqui na Madeira", concluiu sobre este assunto.

Líder do CDS acusa PM de ter "voltado as costas" aos madeirenses

O líder nacional do CDS acusou ainda o primeiro-ministro de ter "voltado as costas" e "castigado" os madeirenses de forma reiterada, apontando a recusa do aval a um empréstimo para fazer face aos efeitos da pandemia da covid-19

"Este primeiro-ministro tem sido responsável por uma ação governativa que vai castigando cada vez mais os madeirenses", declarou Francisco Rodrigues dos Santos.

Francisco Rodrigues dos Santos realçou que o secretário-geral do PS e primeiro-ministro, António Costa, também vai estar hoje na Madeira, participando, no Funchal, num comício da coligação Confiança (PS, BE, MPT, PDR e PAN) e num jantar-comício com militantes socialistas, opinando que "deve ser confrontado" com esta postura do Governo da República em relação a esta região autónoma.

Recordou que quando o Executivo da Madeira, de coligação PSD/CDS, solicitou um aval à República para contrair um empréstimo de 458 milhões de euros para "ajudar as famílias e empresas" afetadas pela pandemia da covid-19", recebeu do Governo de António Costa uma "resposta negativa".

Para Francisco Rodrigues dos Santos, esta atitude do Governo nacional do PS "foi um insulto e uma obrigatoriedade imposta" ao executivo insular para se "financiar a juros mais elevados, penalizando assim o orçamento das famílias e das empresas".

"É importante que os madeirenses tenham noção de que nestas eleições também se julga a atitude que o PS tem tido para com a Região Autónoma da Madeira" nesta matéria.

O líder centrista sustentou que "se o Governo da República não quer ajudar, pelo menos que não atrapalhe", argumentando que o Governo Regional "já demonstrou que é competente para lidar com os destinos da Madeira, só quer ter os instrumentos necessários para poder aplicar a sua fórmula de ajuda" no atual contexto de pandemia.

"O que este Governo socialista tem feito consecutivamente é virar as costas aos madeirenses, castigando sempre que pode ajudar e atrapalhando a ação deste Governo [Regional]", vincou.

Também considerou que António Costa deve ser confrontado com o facto de a transportadora nacional, a TAP, ter cancelado a ligação direta para a ilha do Porto Santo, porque, argumentou, "voltou a pedir quatro mil milhões de euros aos portugueses para tapar o buraco" da empresa, "mas esqueceu-se dos porto-santenses".

Salientou que os porto-santenses e os portugueses estão a pagar dos seus impostos estes prejuízos da TAP, que a empresa pratica "preços exorbitantes", mas "não cumpre com as suas obrigações para com os contribuintes deslocados na sua insularidade".

"É que se a TAP não serve para isto, então também não serve para receber o dinheiro dos porto-santenses e de todos os portugueses que gostam de viajar para Porto Santo", enfatizou.

Francisco Rodrigues dos Santos ainda realçou que o Governo Regional "tem alertado para este problema, mas mais uma vez esbarra na indiferença e na insensibilidade social a que António Costa e o seu Governo têm vota a Região Autónoma da Madeira".

Francisco Rodrigues dos Santos critica António Costa armado em "papão dos empresários"

O líder do CDS-PP aconselhou ainda António Costa a não ser um "papão dos empresários", criticando a postura que assumiu sobre a Galp, quando deu o encerramento da refinaria de Matosinhos como exemplo de aposta nos desafios ambientais.

"O senhor primeiro-ministro referia-se, em maio, ao encerramento da refinaria de Matosinhos como um grande exemplo da aposta nos desafios ambientais e hoje vem, qual papão dos empresários, dizer que é preciso dar uma lição exemplar à Galp", disse Francisco Rodrigues dos Santos.

O presidente do CDS-PP falava no decurso de uma arruada em Santana, concelho no norte da ilha da Madeira, o único dos onze que compõem a região autónoma que é governado pelo CDS-PP.

"Quero informar o senhor primeiro-ministro que o seu papel não é ser um papão na vida dos empresários, nem dar-lhes conselhos sobre a forma de gerir os seus negócios", declarou, reforçando: "Deve facilitar-lhes a vida, baixando impostos, diminuindo a burocracia e permitindo que tenham poupança para reinvestir nos seus negócios e gerar postos de trabalho."

O líder centrista sublinhou que o chefe do executivo socialista deve "preocupar-se mais" com as empresas totalmente geridas pelo Estado, como a TAP, cuja gestão diz ser "absolutamente ruinosa". Já se percebeu que de economia este primeiro-ministro e este Governo percebem muito pouco", declarou.

No domingo, numa ação de campanha para as eleições autárquicas, em Matosinhos, o secretário-geral do PS, António Costa, considerou que "era difícil imaginar tanto disparate, tanta asneira, tanta insensibilidade" como a Galp demonstrou no encerramento da refinaria de Matosinhos, prometendo uma "lição exemplar" à empresa.

"A Galp começou por revelar total insensibilidade social ao escolher o dia 20 de dezembro, a cinco dias do Natal, para anunciar aos seus 1.600 trabalhadores que iria encerrar a refinaria de Matosinhos", apontou o secretário-geral do PS.

A empresa encerrou a última unidade de produção da refinaria de Matosinhos em 30 de abril, na sequência da decisão de concentrar as operações em Sines.

Em Santana, onde o CDS-PP lidera a Câmara Municipal desde 2013, Francisco Rodrigues dos Santos afirmou que o seu partido é de "contas certas" e aquele município constitui um exemplo disso.

"Herdamos uma Câmara Municipal com 8 milhões de passivo e em oito anos conseguimos pagar toda a dívida da Câmara Municipal", explicou, acrescentando: "O prazo médio de pagamento a fornecedores é hoje de quatro dias e conseguimos praticar ainda os impostos mais baixos permitidos por lei sobre as famílias e sobre as empresas e conseguimos ainda investir 8 milhões."

E reforçou: "Nós somos, aqui, em Santana, como em todas as câmaras que governamos, um partido de contas certas, de baixos impostos, de aposta na defesa das famílias, na valorização do património e na defesa das tradições e também na criação de novas oportunidades que são geradas essencialmente pelos novos investidores que somos capazes de atrair."

Francisco Rodrigues dos Santos termina esta segunda-feira hoje uma deslocação de dois dias à Madeira, no âmbito da campanha para as eleições autárquicas de 26 de setembro, tendo visitado os três concelhos onde o CDS-PP concorre com listas próprias: Calheta, Câmara de Lobos e Santana. Nos restantes, o partido avança em coligação com o PSD, a exemplo do Governo Regional.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG