CCP: Greve não beneficia trabalhadores e economia

O presidente da Confederação do Comércio e Serviços de Portugal (CCP), Vieira Lopes, considera que a greve geral, hoje convocada pela CGTP para 22 de março, não terá benefícios nem para os trabalhadores nem para a economia.

"É uma forma que nós já esperávamos de manifestação do descontentamento. No entanto, não vemos neste momento qual é o benefício quer para os trabalhadores quer para a economia desta greve", disse, em declarações à Lusa, Vieira Lopes, sublinhando que não acredita que "os intervenientes tenham ganhos significativos" com o protesto.

Para o presidente da CCP, "uma greve geral, neste momento, deve ter o impacto habitual nos serviços públicos e nos transportes" mas, acrescenta, "não é provável que tenha mais do que isso".

O secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, anunciou hoje a realização de uma greve geral para 22 de março, contra o agravamento da legislação laboral.

A decisão não reúne o apoio da UGT, cujo secretário-geral, João Proença, garantiu já que, "evidentemente", não vai participar na greve geral anunciada pela CGTP, considerando tratar-se de "uma greve de protesto, sem objetivos definidos".

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG