Cavaco Silva defende que competitividade não passa por salários baixos

O Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, disse hoje que "a competitividade em Portugal não se encontra nos salários baixos" e sublinhou a importância da inovação para o país concorrer no mundo globalizado.

As declarações de Cavaco Silva foram realizadas após ter sido confrontado com o relatório divulgado esta segunda-feira pela Organização Internacional do Trabalho (OIT) no qual se aconselha Portugal a ponderar aumentar o salário mínimo e no qual se condira que, com a ajuda da Europa o país pode criar 100 mil empregos até 2015.

"É por isso que insisto sempre muito no conhecimento, na inovação, criatividade e em encontrar capacidades acrescidas para podermos concorrer no mundo que é, de facto, global", sublinhou em Tomar, à margem da inauguração do Centro de Inovação Tecnológica da IBM.

A decisão de aumentar o salário mínimo, lembrou, "é uma matéria que é tratada no Conselho Permanente da Concertações Social".

Cavaco Silva utilizou o momento, contudo, para apelar aos empresários portugueses para "aproveitarem as oportunidades que certamente vão surgir com a recuperação da economia portuguesa e com o crescimento da economia europeia".

"O meu apelo aos empresários portugueses é de que não se atrasem e aproveitem as oportunidades", afirmou.

Antes, durante a inauguração a que presidiu do Centro de Inovação e Tecnologia da IBM, o Presidente da República definiu três "desafios que Portugal enfrenta": a criação de emprego jovem e de elevada qualificação"; o reconhecimento de que "Portugal está preparado para receber o investimento internacional e que se perfila como uma das localizações mais competitivas da Europa; e a aposta no conhecimento e inovação como "fatores-chave de crescimento da economia portuguesa".

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

O bom trabalho do José Mário Branco 

Foram três serões de espanto. Assisti à gravação do disco Sempre, de Katia Guerreiro, que foi produzido por José Mário Branco com a consultadoria da mulher, Manuela de Freitas. Foi há cerca de um ano. Assisti a tudo e o objetivo era descrevê-lo numa reportagem que havia de fazer capa de uma das novas edições do Diário de Notícias, nessa altura em preparação, em maio de 2018. Mas, na verdade, aquilo que tive foi uma experiência de vida, daquelas que constituem marcos de existência.

Premium

Marisa Matias

Baralhar e dar de novo

Na próxima semana irá finalmente a votos a Comissão Von der Leyen. Depois de propostas de nomes rejeitadas, depois de várias controvérsias associadas aos novos portfólios apresentados pela presidente eleita, finalizou-se o processo sem, contudo, eliminar a ameaça de conflitos de interesses ou mudar significativamente os portfólios. Nas contas finais, parece que tudo não passou de um jogo de equilíbrios partidários, muito longe dos interesses dos cidadãos.