Cavaco admite inversão da recessão no fim deste ano

O Presidente da República disse hoje não querer "excluir a possibilidade" de a tendência recessiva da economia portuguesa se inverter já no final deste ano.

"Em termos de ambição, seria muito importante que na parte final de 2012 já ocorresse uma inversão de tendência", afirmou Aníbal Cavaco Silva, que falava aos jornalistas no Porto, à margem da sexta etapa do Roteiro para a Juventude.

Questionado sobre se é possível esse objetivo num quadro de austeridade como o atual, o Presidente declarou: "Não quero excluir essa possibilidade. É provável que o primeiro e segundo trimestres [deste ano] ainda sejam de alguma recessão, mas penso que era muito importante para o nosso país inverter na parte final do ano [essa tendência] por forma a que no ano de 2013, no seu conjunto, já possa revelar um crescimento positivo".

Cavaco Silva sublinhou que os portugueses enfrentam neste momento "grandes dificuldades" e apelou a que todos - "diria até todos os sectores políticos" -- unam esforços "para dar resposta, até numa invenção criativa, a essa ansiedade" que atinge muitos cidadãos.

Nas suas declarações, o Presidente evidenciou "uma certa satisfação" por que os líderes europeus, depois de centraram o discurso na consolidação orçamental, estão agora a redirecioná-lo para o crescimento económico.

"Sinto uma certa satisfação com isso porque desde há muito tempo que digo que não se pode somar permanentemente austeridade a mais austeridade", frisou.

Cavaco Silva cumpre hoje no Porto o segundo e último dia da sexta jornada do Roteiro para a Juventude, dedicada às indústrias criativas.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG