Carlos César não se recandidata à presidência

(ACTUALIZADA) O presidente do PS/Açores, Carlos César, anunciou hoje que não será candidato a presidente do Governo Regional nas eleições de 2012, alegando que está a honrar os compromissos que assumiu nos termos da ética dos cargos públicos.

"Afirmei, após a minha eleição em 2008, que não seria recandidato", recordou Carlos César, acrescentando que pretende cumprir até ao fim o actual mandato de presidente do Governo Regional dos Açores.

Numa declaração aos jornalistas lida na sede do PS/Açores pouco antes de participar numa reunião do Secretariado Regional do partido, Carlos César frisou que espera, dentro de um ano, passar o testemunho "para as mãos de uma nova geração de açorianos, fortalecidos pelos combates, disciplinados por uma governação rigorosa em tempos difíceis, que recusam assistir à desintegração dos direitos autonómicos".

No final deste mandato, Carlos César terá cumprido 16 anos de governo e 16 anos de oposição, considerando, por isso, que estarão "equilibrados" os tempos da sua política institucional.

O líder do PS/Açores confirmou que tomou a decisão de não se candidatar a um novo mandato "há alguns meses", salientando que confirma agora essa decisão "sabendo existir uma apreciação muito positiva por parte dos açorianos sobre a acção do governo" a que preside.

"Se ocorressem, neste preciso momento, eleições, não tenho dúvidas que o PS seria de novo vencedor", afirmou.

Para Carlos César, a decisão de não se candidatar resulta da "ética dos cargos públicos", recordando ter sido ele que propôs a inclusão da limitação de mandatos sucessivos no Estatuto Político-Administrativo dos Açores.

"Somos a única Região Autónoma que cumpriu a obrigação constitucional de adequar o seu Estatuto Político-Administrativo à Lei Fundamental. E, ao fazê-lo, não nos esquecemos de que a ética da lei da República exige a disponibilidade para se abandonar o cargo público exercido", afirmou o líder do PS/Açores.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG