Bloco defende que eleições antecipadas são a única solução

A coordenadora do Bloco de Esquerda Catarina Martins afirmou hoje que as eleições "são sempre a forma de sair das crises", considerando que esta é a única solução de estabilidade para o país.

"Há quem tenha afirmado argumentos de estabilidade para não haver eleições. Isso, por um lado, é um ataque à democracia, porque as eleições são sempre a forma de sair das crises e é forma de o povo escolher como quer que seja o seu percurso", disse Catarina Martins, no Funchal, no encerramento do encontro autárquico.

Para a dirigente bloquista, manter um Governo que "não tem credibilidade, em que os protagonistas não confiam uns nos outros" é "estar a condenar o país a ter, regularmente, mais semanas destas desastrosas, degradantes, de profunda instabilidade".

A este propósito, lembrou que o líder do CDS-PP, Paulo Portas, se demitiu "dizendo que não confiava no primeiro-ministro".

A coordenadora do Bloco de Esquerda realçou ainda a "capacidade de convergência" dos partidos, considerando que dá um "sinal claro da possibilidade de alternativa" nas eleições autárquicas de setembro.

"Este é um sinal muito importante da capacidade de convergência, num momento que é essencial e num território em que é essencial", afirmou Catarina Martins, no Funchal, onde hoje encerrou o encontro autárquico.

Antes, a dirigente do Bloco participou numa ação de campanha do candidato à Câmara do Funchal, Paulo Cafofo, pela coligação "Mudança", que integra seis partidos: PS, PTP, MPT, PND, PAN e BE.

Catarina Martins referiu que "40 anos de hegemonia da direita na Madeira, 40 anos de hegemonia do jardinismo provocam uma situação social grave, tem provocado aquilo que é a deterioração da democracia, da liberdade de expressão, da liberdade de imprensa".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG