Bloco critica "documento de embuste orçamental"

O BE classificou hoje o Documento de Estratégia Orçamental (DEO) com um "embuste orçamental", alertando para a possibilidade da entrada em vigor da nova tabela salarial da função pública poder vir a significar uma redução de salários.

"Este documento pode resumir-se em três palavras: é o documento do embuste orçamental", afirmou a cabeça de lista do BE às eleições europeias, Marisa Matias, numa reação ao DEO, esta tarde divulgado pelo Governo.

O DEO alivia a contribuição extraordinária dos pensionistas, repõe 20 por cento dos cortes aplicados aos trabalhadores do setor público em 2015, mas agrava as contribuições para a Segurança Social em 0,2 pontos percentuais (para 11,2 por cento) e sobe a taxa máxima do IVA para 23,25 por cento.

Destacando o aumento do IVA e o "aumento irrevogável das contribuições dos trabalhadores", Marisa Matias acusou o Governo de ter transformado os cortes antes anunciados como provisórios em cortes "definitivos".

"Mesmo a tão anunciada devolução de 20 por cento dos cortes em 2014 ao entrar ao mesmo tempo que a tabela salarial única pode significar uma redução de salário para muitos funcionários públicos", salientou.

Marisa Matias referiu-se ainda à reforma da segurança social prometida pelo Governo, lamentando que na verdade o que esteja a ser proposto seja uma nova taxa e o aumento do IVA.

"Os portugueses já sabem que cada vez que o Governo promete uma reforma setorial têm que agarrar as suas carteiras", gracejou.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG