Bloco acusa Cavaco de "fechar os olhos aos amigos"

O coordenador do BE João Semedo destacou hoje que o Governo da maioria PSD/CDS-PP já viu três orçamentos do Estado com normas rejeitadas pelo Tribunal Constitucional (TC) e acusou o Presidente da República de "fechar os olhos" aos "amigos". "É, significativamente, o terceiro orçamento do Estado declarado inconstitucional. O problema não está no TC, nem na Constituição da República Portuguesa. Está num Governo que insiste em governar contra a Constituição e num Presidente da República que fecha os olhos em nome de um compromisso maior, com os seus amigos no Governo, ao compromisso que jurou com a Constituição", disse João Semedo, nos Passos Perdidos do Parlamento. Os juízes do Palácio Ratton "chumbaram" hoje três dos quatro artigos em análise do Orçamento do Estado para 2014, incluindo os cortes dos salários dos funcionários públicos acima dos 675 euros. "O Governo vai ser obrigado agora a um orçamento retificativo. Queríamos desde já alertar para que o Governo não tente impor mais sacrifícios e mais austeridade a pretexto das decisões de hoje. Rejeitamos mais medidas de austeridades", continuou o deputado bloquista. A fiscalização sucessiva da constitucionalidade daquelas quatro normas foi suscitada por deputados do PS no dia 9 de janeiro e pelos deputados do PCP, BE e PEV no dia 17 do mesmo mês.João Semedo sugeriu ao Executivo de Passos Coelho e Paulo Portas a taxação das grandes fortunas, a renegociação das Parcerias Público-Privadas ou das rendas da energia para colmatar um eventual "buraco" orçamental.

Exclusivos

Premium

Liderança

Jill Ader: "As mulheres são mais propensas a minimizarem-se"

Jill Ader é a nova chairwoman da Egon Zehnder, a primeira mulher no cargo e a única numa grande empresa de busca de talentos e recursos. Tem, por isso, um ponto de vista extraordinário sobre o mundo - líderes, negócios, política e mulheres. Esteve em Portugal para um evento da companhia. E mostrou-o.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.