BE quer ouvir Maria Luís, Moedas e chefes de missão da troika

Bloquistas entregam requerimento com mais de 40 nomes e pretendem chamar para audição, entre outros, Vítor Constâncio, Ricardo Salgado, Vítor Bento, Stock da Cunha, Zeinal Bava, Henrique Granadeiro e Álvaro Sobrinho.

O BE apresentou esta quinta-feira, no Parlamento, o requerimento com a lista de individualidades que tenciona ouvir na comissão de inquérito à gestão do BES, pedindo, desde logo, a audição a vários responsáveis políticos: a ministra das Finanças, Maria Luís Albuquerque, o comissário europeu e ex-secretário de Estado Adjunto - responsável pela monitorização da aplicação do memorando de entendimento -, Carlos Moedas, e vários responsáveis da troika.

No documento a que o DN teve acesso, assinado pela deputada Mariana Mortágua, os bloquistas defendem a audição dos chefes de missão - sem especificar quais -, mas figuras como Poul Thomsen, Abebe Selassie e Subir Lall, os três rostos do FMI em Portugal durante o período de assistência económica e financeira, Jürgen Kröger e John Berrigan (ambos responsáveis da Comissão Europeia) e Rasmus Rüffer e Isabel Vansteenkiste (pelo Banco Central Europeu) poderão estar na calha para serem ouvidos.

Entre os responsáveis de regulação e supervisão, o BE colocou sobre a mesa os nomes de Carlos Costa, governador do Banco de Portugal, Carlos Tavares, presidente da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários e Vítor Constâncio, ex-governador do Banco de Portugal e atual vice-presidente do BCE.

No universo BES/GES, estão entre os "eleitos" Ricardo Salgado e José Maria Ricciardi, enquanto do Novo Banco o partido liderado por João Semedo e Catarina Martins exige explicações a Vítor Bento, Eduardo Stock da Cunha, antigo e atual presidente do Conselho de Administração.

O BE quer ainda ouvir outras figuras do mundo empresarial, apontando, à cabeça, Zeinal Bava, ex-presidente executivo da PT e da Oi, Henrique Granadeiro, antigo presidente do Conselho de Administração da PT, Álvaro Sobrinho, ex-presidente e acionista do BESA e acionista da Akoya Asset Management, e ainda Hélder Bataglia, presidente ESCOM e acionista da Akoya Asset Management.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

O bom trabalho do José Mário Branco 

Foram três serões de espanto. Assisti à gravação do disco Sempre, de Katia Guerreiro, que foi produzido por José Mário Branco com a consultadoria da mulher, Manuela de Freitas. Foi há cerca de um ano. Assisti a tudo e o objetivo era descrevê-lo numa reportagem que havia de fazer capa de uma das novas edições do Diário de Notícias, nessa altura em preparação, em maio de 2018. Mas, na verdade, aquilo que tive foi uma experiência de vida, daquelas que constituem marcos de existência.

Premium

Marisa Matias

Baralhar e dar de novo

Na próxima semana irá finalmente a votos a Comissão Von der Leyen. Depois de propostas de nomes rejeitadas, depois de várias controvérsias associadas aos novos portfólios apresentados pela presidente eleita, finalizou-se o processo sem, contudo, eliminar a ameaça de conflitos de interesses ou mudar significativamente os portfólios. Nas contas finais, parece que tudo não passou de um jogo de equilíbrios partidários, muito longe dos interesses dos cidadãos.