BE quer grandes empresas a financiar Segurança Social

Manifesto eleitoral dos bloquistas prevê ainda a indexação dos juros da dívida ao crescimento do PIB e a limitação à comparticipação pública de estágios.

O Bloco de Esquerda (BE) quer criar uma taxa de 0,75% sobre o valor acrescentado das grandes empresas com o objetivo de financiar diretamente a Segurança Social. A proposta, classificada como uma "medida cirúrgica", consta do manifesto eleitoral dos bloquistas, que exclui dessa contribuição as pequenas e médias empresas (PME).

No documento, que será discutido e votado na conferência programática de domingo, em Coimbra, o partido liderado por Catarina Martins faz a estimativa e nota que mesmo num contexto de crise o acréscimo de receita para o sistema de pensões seria de 300 milhões de euros/ano - metade do valor que o governo diz estar em falta para garantir a sustentabilidade da Segurança Social.

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN

Exclusivos

Premium

Espanha

Bolas de aço, berlindes, fisgas e ácido. Jovens lançaram o caos na Catalunha

Eram jovens, alguns quase adultos, outros mais adolescentes, deixaram a Catalunha em estado de sítio. Segundo a polícia, atuaram organizadamente e estavam bem treinados. José Manuel Anes, especialista português em segurança e criminalidade, acredita que pertenciam aos grupos anarquistas que têm como causa "a destruição e o caos" e não a luta independentista.