BE: Louçã diz que desafio à liderança é "irresponsabilidade" sem precedente na história do partido

Antigo coordenador criticou a disputa da direção de João Semedo e Catarina Martins por Pedro Filipe Soares.

O ex-coordenador do BE, Francisco Louçã, criticou hoje duramente a disputa da direção de João Semedo e Catarina Martins por Pedro Filipe Soares, afirmando que "é uma prova de imaturidade e não se faz".

"Não houve nunca na história do BE erro maior nestes quinze anos do que a irresponsabilidade da divisão da direção", afirmou Louçã.

O fundador e líder histórico do BE discursava no período de debate entre moções, durante a IX Convenção Nacional, em que Pedro Filipe Soares encabeça uma moção que disputa a coordenação de João Semedo e Catarina Martins.

Para Louçã, esta iniciativa, apoiada pelo fundador Luís Fazenda, "é uma prova de imaturidade e não se faz".

"Por isso eu subo a esta tribuna para vos falar da força do BE, porque é todos juntos que temos de resolver este erro, para isso quero responder ao que é que aqui estamos dispostos a fazer pelo Portugal do povo que trabalha, este BE já fez muito mas ainda não fez o suficiente", declarou.

No final, dirigindo-se aos militantes, Francisco Louçã aludiu à sua saída da Mesa Nacional: "Neste ciclo temos de dar tudo o que temos da melhor forma que sirva a esquerda, estou disponível como sempre, como me conhecem, para tudo o que o BE precisar e sempre que o BE precisar, e estarei no lugar mais honroso, que é o de militante base".

Nesta Convenção Nacional do BE, a moção encabeçada por Pedro Filipe Soares disputa a liderança João Semedo e Catarina Martins, que há dois anos assumiram a coordenação.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.