BE: Governo tem explicar "pulo de dois mil milhões" no défice

O deputado bloquista Pedro Filipe Soares afirmou hoje que o Governo tem de explicar "um pulo de dois mil milhões de euros no défice" em outubro e advertiu que o limite "já revisto" para 2012 deverá ser ultrapassado.

"Nós ouvíamos o Governo dizer que o défice estava controlado e o que nos diz a execução orçamental é que o Governo não tem mão no défice, em apenas um mês o défice deu um pulo de mais de dois mil milhões de euros, colocando-se em outubro quase no limite já revisto para o ano de 2012. O que era previsto pelo Governo e pela 'troika', em outubro, já está quase a ser atingido e por isso prevê-se que até ao final do ano seja ultrapassado", afirmou o deputado do BE no Parlamento.

Para Pedro Soares, a "pergunta essencial é porque é que houve um pulo de dois mil milhões de euros no défice".

O défice da administração central e da Segurança Social atingiu os 8.145 milhões de euros em outubro, segundo os critérios relevantes para a 'troika'.

O boletim de execução orçamental da Direção-Geral do Orçamento (DGO), hoje divulgado, mostra que o valor do défice público nos primeiros dez meses do ano já está muito próximo do total previsto para 2012: 9.000 milhões de euros.

Segundo os mesmos dados, a receita fiscal do Estado caiu 4,6% nos primeiros dez meses deste ano por comparação com o mesmo período de 2011, tal como a receita dos impostos indiretos (IVA e outros impostos sobre o consumo) cobrados pelo Estado, que caiu 5,2%.

"Eu acho que ninguém consegue explicar, pelo menos pelos dados da execução orçamental ninguém consegue perceber, e essa é uma das clarificações que o Governo tem de dar ao país, porque é que tivemos num só mês um pulo de dois mil milhões de euros", considerou Pedro Filipe Soares.

O parlamentar bloquista referiu que se nos próximos meses acontecer "um novo pulo de dois mil milhões de euros no défice, não há qualquer salvação pela concessão da ANA, que aliás, não está ainda aceite pela União Europeia".

"O que é claro é que esta receita está errada, o que nos deixa extremamente preocupados é que a receita que se provou estar errada em 2012, está a ser repetida no Orçamento para 2013, por isso errar é humano mas insistir no erro é a teimosia deste Governo e do ministro Vítor Gaspar e é o desastre do país", criticou.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG