BE diz que execução orçamental revela "um enorme saque fiscal"

O Bloco de Esquerda (BE) considerou que a execução orçamental hoje divulgada revela "um enorme saque fiscal" e que os sacrifícios dos portugueses estão a ser feitos em benefício dos credores do país.

"Esmiuçando os números, o que vemos é o resultado de um enorme saque fiscal, um ataque brutal aos rendimentos do trabalho, por via do IRS, e por outro lado, o resultado nos cortes dos salários da administração pública", afirmou o líder parlamentar do BE, Pedro Filipe Soares, em declarações aos jornalistas no parlamento, numa reação à execução orçamental de fevereiro.

O dirigente bloquista criticou ainda a forma como está a ser direcionado o dinheiro resultante do aumento de impostos e corte dos salários, sublinhando que "apenas em dois meses aumentou em 250 milhões de euros o pagamento da dívida pública em relação ao ano anterior".

"Corta-se na vida das pessoas, nos salários, aumenta-se o imposto do trabalho e o resultado é que isso serve para o saque através da dívida pública", criticou.

Para Pedro Filipe Soares, a conclusão que pode ser retirada "é que as pessoas são cortadas nos salários e nos impostos para pagar o saque que a finança está a fazer ao país, essa é a escolha do Governo".

As administrações públicas registaram um défice de 30,8 milhões de euros até fevereiro, depois de, nos mesmos meses de 2013, terem registado um défice superior, de 181,7 milhões de euros, segundo os mais recentes números da Direção-Geral do Orçamento (DGO)

De acordo com a síntese da execução orçamental de fevereiro, hoje divulgada pela DGO, este valor, que é o que importa para efeitos de aferição dos critérios do programa de assistência, "compara favoravelmente com o valor observado em igual período do ano precedente", sendo que o limite trimestral acordado para o défice é de 1.700 milhões entre janeiro e março deste ano.

Por outro lado, o Governo informou que o Estado arrecadou 6.231,3 milhões de euros em impostos nos dois primeiros meses do ano, um aumento de 7,2% em termos homólogos, o que se deveu sobretudo ao aumento da receita encaixada com os impostos diretos.

SMA/VAM (ND) // ARA

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG