BE afasta-se do Livre em rejeição de acordos com PS

O Bloco de Esquerda recebeu esta terça-feira na sua sede nacional uma delegação do Livre e admitiu comparecer no primeiro congresso deste partido, mas afastou-se desta nova força política, em rejeição de acordos políticos com o PS.

O Livre, que pediu esta reunião, esteve representado por Rui Tavares, Maria João Pires, Renato Carmo e Ricardo Alves. Da parte do Bloco de Esquerda (BE), estiveram presentes o coordenador do partido João Semedo, e os dirigentes Joana Mortágua, Jorge Costa e Ricardo Moreira.

No final da reunião, que durou cerca de uma hora, Rui Tavares falou no início de um "diálogo novo" e declarou aos jornalistas: "É maior aquilo que temos em comum do que aquilo em que temos divergências". A seguir, em contraste, João Semedo sustentou que o Livre está focado em "procurar acordos políticos de governação com o PS", que o BE rejeita.

Segundo João Semedo, o PS "é um partido que se tem excluído de soluções políticas de esquerda" e uma eventual mudança de liderança não mudará a posição do BE face aos socialistas: "Seja António José Seguro ou seja António Costa, é evidente que uma força de esquerda como o BE, que quer governar à esquerda, com políticas de esquerda, não pode olhar para o PS como um parceiro dessa governação".

O coordenador do BE disse que esta reunião "tinha por objetivo a apresentação formal do partido Livre enquanto novo partido, que ainda não tinha sido possível".

Por sua vez, Rui Tavares apontou o combate à austeridade e ao chamado tratado orçamental como uma "preocupação comum" entre o BE e o Livre, que afirmou ter como um dos seus primeiros objetivos "a possibilidade de realizar convergências à esquerda: podem ser eleitorais, governativas, por conquistas práticas comuns concretas".

Ex-deputado europeu eleito pelo BE, do qual depois se desvinculou, Rui Tavares agradeceu a "generosidade" e "disponibilidade" do BE para este encontro, referindo que o Livre pediu reuniões a um conjunto de "partidos e organizações políticas que fazem parte da família da esquerda, do progressismo, ou da ecologia".

"O Livre já reuniu com o Partido Comunista Português (PCP) e com o Partido pelos Animais e pela Natureza (PAN) e tem também reuniões pedidas ao Partido Ecologista "Os Verdes" (PEV), ao Partido Socialista (PS), e teve também uma reunião com a Associação Fórum Manifesto e tem também uma reunião pedida à associação Renovação Comunista", mencionou.

Rui Tavares adiantou que o Livre convidou o BE a estar presente no seu primeiro congresso, marcado para 5 de outubro: "Endereçámos um convite ao BE para que fizesse parte desse congresso, para que estivesse presente, e certamente que vamos afinar as modalidades desse convite nas semanas que se seguem. E, além disso, deixámos em aberto o canal de comunicação entre o BE e o Livre e, portanto, voltaremos a esse diálogo conforme a atualidade política o exigir".

Questionado se o BE vai aceitar esse convite, João Semedo respondeu: "O partido Livre informou-nos que faz uma convenção no dia 5 de outubro. Disse-nos que iria formalizar esse convite. Naturalmente, se formos convidados, não deixaremos de ir, como vamos aos congressos dos partidos que nos convidam".

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG