Assunção Esteves tira a palavra a deputado do PS

A presidente da AR lamentou esta sexta-feira que "a instrumentalização das figuras de ponto de ordem seja uma prática generalizada" no debate parlamentar, pelo que retirou a palavra a Sérgio Sousa Pinto.

Durante a votação da proposta para a reintrodução dos cortes salariais nos ordenados acima de 1.500 euros no setor público, o líder parlamentar do PSD, Luís Montenegro, pediu um 'ponto de ordem' à mesa da Assembleia da República, respondendo a críticas da deputada do BE Mariana Aiveca - que tinha considerado que o Governo estava "a roubar os salários" dos trabalhadores - e repudiando a linguagem usada pela deputada.

Pedindo a palavra à mesa, o deputado do PS Sérgio Sousa Pinto considerou posteriormente que Luís Montenegro fez uma instrumentalização do ponto de ordem e apelou ao rigor por parte da mesa da Assembleia da República.

"A instrumentalização das figuras de ponto de ordem é uma prática lamentavelmente generalizada no Parlamento. Além disso, vamos tentando impedi-la como podemos. Na dialética do debate parlamentar o excesso gera sempre excesso e cabe aos senhores deputados manterem-se dentro dos limites do que é razoável para que a dialética parlamentar não resvale para defraudar as figuras regimentais. A mesa não tem possibilidade de controlar tudo", afirmou Assunção Esteves.

Nesse sentido, Sérgio Sousa Pinto afirmou reservar-se "no direito de requerer a possibilidade de fazer ponto de ordem com a latitude extravagante consentido", considerando que dispõe de "legitimidade igual" à do deputado do PSD.

Exclusivos

Premium

Legionela

Maioria das vítimas quer "alguma justiça" e indemnização do Estado

Cinco anos depois do surto de legionela que matou 12 pessoas e infetou mais de 400, em Vila Franca de Xira, a maioria das vítimas reclama por indemnização. "Queremos que se faça alguma justiça, porque nunca será completa", defende a associação das vítimas, no dia em que começa a fase de instrução do processo, no tribunal de Loures, que contempla apenas 73 casos.