Associação 25 de Abril quer Salgueiro Maia no Panteão

O presidente da Associação 25 de Abril defendeu hoje a trasladação do corpo de Salgueiro Maia para o panteão nacional, recordando que a associação já tentou lançar essa iniciativa, mas foi travada por inúmeras "dificuldades" e "burocracias".

"Vejo bem a ideia. Nós já tivemos essa ideia, lançámos a ideia, mas as dificuldades foram tão grandes, as burocracias eram tantas, que nós decidimos não formalizar uma proposta concreta", afirmou Vasco Lourenço aos jornalistas, à margem de um almoço na associação 25 de Abril, em Lisboa.

O histórico socialista Manuel Alegre apelou na terça-feira, em Coimbra, a todos os deputados para que aprovem a trasladação do corpo do capitão de Abril Salgueiro Maia para o Panteão Nacional, no âmbito do 40.º aniversário do 25 de Abril.

"Achámos também que não devem ser os militares de Abril a avançar com este tipo de propostas, deve ser a Nação portuguesa que, se considerar que o 25 de Abril deve estar no panteão, deve promover isso", acrescentou Vasco Lourenço.

O presidente da Associação 25 de Abril considerou que deve ser "o poder" a promover a iniciativa, já que apenas existe, enquanto poder democrático, devido ao 25 de Abril, mas disse não esperar esse gesto do atual Governo.

"É evidente que no atual poder não espero isso, o atual poder não tem nada a ver com o 25 de Abril, antes pelo contrário, tem feito tudo para procurar destruir o 25 de Abril, portanto, não estarão muito agradados em ser eles a tomar uma iniciativa dessa natureza", argumentou.

Para Vasco Lourenço, assumir o 25 de Abril é também assumir que um seu representante deve estar no panteão nacional.

Manuel Alegre defendeu na terça-feira que a trasladação seria a "homenagem nunca prestada" ao "herói e símbolo do 25 de Abril Salgueiro Maia".

Exclusivos

Premium

Contratos públicos

Empresa que contratava médicos para prisões não pagou e sumiu

O Estado adjudicou à Corevalue Healthcare Solutions, Lda. o recrutamento de médicos, enfermeiros, psicólogos e auxiliares para as prisões. A empresa recrutou, não pagou e está incontactável. Em Lisboa há mais de 30 profissionais nesta situação e 40 mil euros por pagar. A Direção dos Serviços Prisionais diz nada poder fazer.