Após o "erro" da liderança a dois, o desafio da sobrevivência

Militantes do BE desconfiam do posicionamento do partido. Catarina Martins vai estar à prova nas legislativas do próximo ano.

Longe vai o ano 1999 quando apareceu na esquerda portuguesa um movimento que congregou três forças políticas, a União Democrática Popular (UDP), o Partido Socialista Revolucionário (PSR) e a Política XXI, às quais se juntaram ainda outros movimentos de menor expressão. O Bloco de Esquerda (BE) tinha então como figuras de proa Francisco Louçã, Miguel Portas, Luís Fazenda e Fernando Rosas.

Hoje, e após a IX Convenção, o BE está cada vez mais partido. Louçã deixou a liderança em 2012, afastou-se e contribuiu para a solução de coordenação partilhada entre João Semedo e Catarina Martins. Só a segunda "sobreviveu" aos acontecimentos mais recentes - a disputa interna e a mudança para um coordenação a seis -, com Semedo a "reclamar" para si a continuidade como deputado e um lugar na Mesa Nacional. Pedro Filipe Soares manteve-se como líder da bancada parlamentar.

O BE parece ter ficado órfão e até se admite que não será fácil encontrar alguém com a "genialidade" de Louçã. Quanto à liderança partilhada, há entre as estruturas dirigentes quem diga que "foi um disparate". "Um erro", que até complicou a coordenação e a transmissão da mensagem do BE.

Saiba mais na edição impressa ou no e-paper do DN.

Exclusivos

Premium

João Lopes

A última tentação cinéfila

O ator Willem Dafoe é um dos homenageados do Lisbon & Sintra Film Festival: entre os seus títulos mais emblemáticos inclui-se A Última Tentação de Cristo, de Martin Scorsese, filme gerado num contexto de produção de Hollywood que já não existe.O ator Willem Dafoe é um dos homenageados do Lisbon & Sintra Film Festival: entre os seus títulos mais emblemáticos inclui-se A Última Tentação de Cristo, de Martin Scorsese, filme gerado num contexto de produção de Hollywood que já não existe.

Premium

Número dispara em quatro meses

Há 3685 desfibrilhadores em Portugal

Em quatro meses, o Instituto Nacional de Emergência Médica colocou mais de mil desfibrilhadores em espaços públicos. Mas faltam ainda muitos passos para cumprir à risca a legislação criada em 2012. No concelho de Ansião (Leiria), um enfermeiro apresentou uma proposta ao orçamento participativo e a câmara vai instalar 18 aparelhos nos espaços públicos. Foi lá que há dois anos um dispositivo desses salvou a vida a um bombeiro.