Aplicação do Plano de Ajustamento está a ser "catastrófica"

O vereador da CDU na Câmara do Funchal afirmou hoje que o Plano de Ajustamento Económico e Financeiro da Madeira (PAEF) está a ser um "catastrófico desastre para a economia regional" e lamentou as consequências do "brutal" aumento do IVA.

"A aplicação do PAEF é um verdadeiro acordo de agressão e de traição negociado e assinado entre o Governo Regional e o Governo da República PSD/CDS-PP, no início do corrente ano, está a revelar-se um catastrófico desastre para a economia regional, com especial impacto para a situação dos trabalhadores e das micro, pequenas e médias empresas", disse Artur Andrade, numa ação política no Funchal.

O responsável comunista apontou que "o aumento do IVA não significou qualquer aumento da receita real" e sublinhou que teve até um efeito contrário, porque, segundo "os últimos dados a nível nacional, verificou-se mesmo uma quebra nos valores arrecadados".

Por isso, para a CDU, "a Madeira e as suas populações foram duplamente penalizadas pelo brutal aumento do IVA".

Artur Andrade referiu que, além do aumento que se verificou a nível nacional, "o diferencial de IVA de que beneficiava a região devido à descontinuidade territorial foi substancialmente reduzido".

De acordo com os comunistas madeirenses, o aumento do IVA acabou por se traduzir numa situação de quebra da atividade económica e do consumo: "Este é um grave problema que se tem sentido de forma particularmente aguda no setor da restauração, em que a subida do IVA foi mais significativa, e em que todos os dias assistimos ao encerramento de pequenas empresas, com todos os problemas daí decorrentes".

Segundo os comunistas, visto que esta medida não resultou no aumento de receitas, "é urgente inverter o rumo desta situação".

Por isso, defendeu, o Executivo madeirense "não pode ficar calado e expectante, alegando que nada pode fazer perante as imposições do Governo da República PSD/CDS-PP e da 'troika'"

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG