Antólio Sales venceu as eleições para a Federação

A Comissão Organizadora do Congresso declarou esta quarta-feira António Sales vencedor das eleições na Federação de Leiria do PS,no dia em que a Jurisdição Nacional anulou a decisão de repetir eleições em três secções.

"Tínhamos a obrigação de proceder ao apuramento final e fixar os resultados das eleições", disse à agência Lusa Delfim Azevedo, presidente da Comissão Organizadora do Congresso (COC), sublinhando que os resultados apurados são das eleições realizadas em 05 de setembro, "excetuando as secções de Alcobaça, Pombal e Óbidos".

José Miguel Medeiros, antigo governador civil de Leiria e apoiante de António Costa nas primárias dos socialistas, terá obtido mais sete votos nas eleições de 05 de setembro, tendo sido, no entanto, convocadas novas eleições, por eventuais ilegalidades, em Pombal, Óbidos e Alcobaça (neste último concelho só para delegados).

Mas estas eleições, agendadas para 19 de setembro, não se realizaram, por boicote às urnas em Pombal e Óbidos, segundo a candidatura de Sales, que nesse mesmo dia se autoproclamou vencedor, já que a diferença de votos, nestes locais, lhe daria a vitória.

No entanto, a Comissão Nacional de Jurisdição (CNJ), no acórdão que a agência Lusa consultou, considerou "nula e sem efeito a deliberação da COC de Leiria que determinou a repetição dos atos eleitorais", por "vício de usurpação de poder e incompetência absoluta da COC para o efeito".

A candidatura de António Sales, apoiante de António José Seguro nas primárias, considerou que "com a homologação dos resultados registados nas eleições para a Federação por parte da COC na reunião realizada a 23 de setembro, tratando-se do órgão do partido que mantém competência para tal", assume o mandato.

Já a candidatura de José Miguel Medeiros sustenta, num comunicado também divulgado hoje, que o acórdão da CNJ confirma "a ilegalidade da decisão da COC" e dá "razão aos militantes do PS dos concelhos de Pombal, Alcobaça e Óbidos", que "impediram a realização de eleições, em defesa da lei, dos estatutos e das normas internas do PS".

Sobre a decisão da CNJ, Delfim Azevedo disse à Lusa que, além de ainda não conhecer "na íntegra o acórdão", não se deve pronunciar sobre o documento.

"Não devemos emitir opiniões, para não aumentar o ruído", afirmou.

Delfim Azevedo acrescentou que "não é o acórdão" da CNJ que vai alterar a decisão da COC, adiantando que, no entanto, "ainda pode haver recursos".

Da reunião da COC, na noite de terça-feira, saíram também outras decisões, entre as quais enviar à Comissão Nacional de Jurisdição (CNJ) os relatórios que chegaram das secções de Alcobaça, Pombal e Óbidos sobre os acontecimentos do dia 19 [data para a repetição das eleições]".

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG