Rui Rio: "É a vitória dos militantes de base do PSD"

Paulo Rangel, no discurso de derrota, apelou à unidade e disse que o presidente do PSD sai mais legitimado após este processo eleitoral.

Ricardo Simões Ferreira
O candidato às eleições diretas do Partido Social Democrata (PSD) e atual presidente, Rui Rio (C), abraça a sua filha após vencer as eleições internas do partido, num hotel no Porto, 27 de novembro de 2021.© JOSÉ COELHO/LUSA

O presidente reeleito do PSD atribuiu a sua vitória nas diretas do partido aos "militantes de base do PSD".

"Aqueles que são dirigentes do partido têm de se ligar mais aos militantes de base", afirmou o líder do PSD. "É absolutamente notório na sua esmagadora maioria quiseram mudar de sentido e grande parte dos interesses tinham a ver com interesses pessoais e não com interesses do partido", que fez ainda questão de acrescentar: "Não estive a ver, mas provavelmente nas televisões estão a dizer que o povo se enganou."

Para Rio, a partir de agora o objetivo é, "no dia 30 de janeiro ganhar as legislativas".

"Queremos uma governação que tenha mais rigor e menos facilitismo. É o rigor que temos de imprimir na governação", de forma que o país saia da situação de pobreza, disse. "Temos de ter mais riqueza e menos endividamento. Temos de concentrar em produzir riqueza e diminuir o endividamento.

A questão da carga fiscal fez ainda parte do discurso do presidente do PSD. "Ou pagamos menos impostos ou temos melhores serviços públicos", acrescentou ainda Rui Rio, que também falou na questão da descentralização, outra das prioridades por si traçadas para o seu partido.

Rangel: Rio sai com legitimidade reforçada

O candidato derrotado à liderança do PSD, Paulo Rangel, afirmou esta noite que "este processo eleitoral interno reforçou a legitimidade do líder do PSD".

O candidato à presidencia do Partido Social Democrata (PSD), Paulo Rangel, faz o discurso de derrota nas eleições diretas do partido© MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

No discurso de reconhecimento de derrota, às 21h42 -- quando estavam pouco mais de metade dos resultados apurados -- Rangel felicitou Rui Rio pela vitória nas diretas e fez "um apelo muito importante à unidade".

"Que haja esse espírito. É muito importante que o partido esteja unido em torno da estratégia que hoje teve vencimento e do líder que teve esse programa".

Sublinhando que a missão que se aproxima para o partido é de grande importância, e io tempo é curto -- "o prazo, embora suficiente, é exigente", o partido necessita de "uma mobilização redobrada".

"Apresentei-me com uma estratégia diferente da que teve hoje a vitória. Mas se vamos para as legislativas, temos de ir unidos com um adversário que é o Parido Socialista e o seu líder", afirmou.

Derrota assumida

Paulo Rangel assumiu a derrota nas diretas do PSD aos jornalistas, pelas 21h40 deste sábado, quando estavam apurados pouco mais de metade dos votos.

Os candidatos à liderança do PSD, Rui Rio e Paulo Rangel estavam, às 21:3O, praticamente empatados nas eleições diretas do PSD - mas seguindo Rio na frente, com 12095 votos (50,88%) contra 11678 (49,12%) para Paulo Rangel.

Nessa altura já estavam apurados 24 108 votos - ou seja, mais de metade dos 46663 registados. Estavam apuradas 232 secções de voto, havendo 86 por apurar.

Trinta e cinco minutos após o fecho das assembleias de voto, o atual presidente do partido, Rui Rio, tinha 10,65% dos votos (265) e o eurodeputado Paulo Rangel 10,49% (261).

De acordo com o "site" que disponibiliza a evolução dos resultados das eleições diretas em tempo real (https://resultados.psd.pt), àquela hora estavam apuradas 28 secções, faltando ainda apurar 290.

Na Europa, onde já estão apurados todos os votos, venceu o eurodeputado Paulo Rangel.

Com Lusa