Costa demarca-se da expressão "nazizinho" de Rosa Mota sobre Rio

"Cada um fala por si", diz o secretário-geral socialista sobre o ataque da antiga maratonista ao líder do PSD.

DN/Lusa
© MIGUEL A. LOPES/LUSA

António Costa, secretário-geral do PS, reagiu à expressão "nazizinho", utilizada esta sexta-feira por Rosa Mota para qualificar Rui Rio, afirmando que "nunca" utilizou esse termo e que, apesar de estar muito grato pelo apoio da maratonista, "cada um fala por si".

"Eu estou muito grato pelo apoio que ela me deu, estou muito grato pelos apoios de todos os cidadãos e cidadãs independentes, que quiseram expressar o seu apoio. Naturalmente cada um fala por si, eu falo por mim e nunca utilizei essa expressão", afirmou António Costa.

O secretário-geral do PS respondia aos jornalistas numa arruada na Guarda, reagindo às palavras proferidas pela maratonista e campeã olímpica Rosa Mota que, numa ação de campanha do PS hoje de manhã em Monsanto, Lisboa, apelidou Rui Rio de "nazizinho" devido ao seu desempenho enquanto presidente da Câmara Municipal do Porto, entre 2002 e 2013.

O também primeiro-ministro frisou que "Rosa Mota é uma pessoa muito querida de todos os portugueses, uma grande campeã" que deu "muitas alegrias", considerando que a expressão "nazizinho" é "uma palavra e uma expressão que ela disse, que é dela".

A maratonista e campeã olímpica em 1988, Rosa Mota disse que não percebe "como é que as pessoas não conseguem ver o que se tentou destruir" na cidade do Porto, quando Rui Rio era presidente da Câmara.

"Aquela parte, ele é que manda, que é o 'nazizinho', e o resto põe de lado. Todas as pessoas que fossem figuras públicas da cidade - somos pessoas queridas, modéstia à parte - para ele, era um terror", afirmou.

Esta declaração levou Rui Rio a dizer que António Costa "é que sabe quem mete dentro da sala", numa referência à presença da maratonista na ação de campanha do PS.

"Eu nem vou conferir grande importância porque acho que é dar importância demais a quem a não deve ter, agora não é essa a forma de se fazer campanha, nem de fazer política, a minha não é e está provado que não é, mas o doutor António Costa é que sabe quem mete dentro da sala", afirmou Rui Rio, durante a tarde na Figueira da Foz.

"A campanha do PS e do doutor António Costa, toda ela está feita na base de tentar deturpar o que eu digo e não procurar defender as suas próprias propostas e quando defende as suas próprias propostas é um orçamento que chumbou e nem sei como é que ele o quer fazer passar no caso de ganhar as eleições, e depois chegam ao extremo de juntar numa sala um tipo de pessoas e o que sai de lá, desse tipo de pessoas, é que é um insulto, como é lógico", acrescentou o líder social-democrata.