"A União Europeia vai destruir a Europa"

José Gil considera que a U nião Europeia não existe no sentido de criar uma nação europeia: "Se olharmos para a Europa no estado atual é o contrário: uma desunião." Daí que o filósofo nunca tenha acreditado "na maneira como a união política, através de normas e tratados, se estava a operar". Por essa razão afirma: "Estou convencido de que a União Europeia vai destruir a Europa."

Segundo o filósofo, o que se tem vindo a fazer na construção europeia não é uma unidade específica própria: "Não se vai a tempo de corrigir o rumo. Vai-se a tempo de corrigir é o rumo que desde o princípio enviesou para uma direção pior do que aquela que se esperava, a de culminar num Estado político unitário europeu."

Para José Gil, o provável crescimento da extrema-direita e da extrema-esquerda na representação no Parlamento Europeu não está a ter resposta suficiente: "Vejo pouca reação e pouco desejo de afirmação da democracia por parte dos democratas europeus relativamente a esses partidos da extrema-direita que estão a nascer como cogumelos em toda a parte."

Quanto ao aparecimento do populismo em Portugal, José Gil considera que "depois das eleições, se a abstenção for muito grande, é possível que comece a aparecer um terreno próprio da demagogia e propício ao populismo".

Quanto ao legado de Portugal na União Europeia, o filósofo prevê que seja o do "desvanecimento" devido à "continuação da política que prolonga ou piora por uma outra década o que está a ser feito do ponto de vista social no país".

Leia esta entrevista completa na edição em papel ou e-paper do DN

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG