PS acusa PSD de " fúria privatizadora"

O PS acusou esta quinta-feira o Governo de demonstrar "fúria privatizadora" e de "desmantelar" o grupo Águas de Portugal, considerando que o processo de alienação da Empresa Geral do Fomento (EGF) não defende o interesse público.

Esta posição foi assumida pelo deputado socialista Pedro Farmhouse no parlamento, após o Conselho de Ministros ter anunciado que o consórcio SUMA, liderado pela Mota-Engil, venceu o concurso para a privatização de 95 por cento do capital da EGF, a sub-holding do grupo Águas de Portugal.

"O Governo deu mais um passo na sua fúria das privatizações. A preocupação do Governo não foi a garantia do interesse público ou dos consumidores, mas acima de tudo privatizar uma empresa que era lucrativa, que faz parte do grupo Águas de Portugal e que é parceira de 174 municípios", declarou Pedro Farmhouse.

Pedro Farmhouse referiu que o PS "lamenta a decisão do Conselho de Ministros, que é contrária à maioria dos municípios, que são parceiros e fornecedores de uma empresa que trata os resíduos de mais de 60 por cento da população".

"Mais do que a liquidação da EGF, estamos perante o início do desmantelamento do grupo Águas de Portugal. Isto é mau sinal para o futuro dos resíduos e sobre a qualidade da água em Portugal. O PS tem sempre condenado este comportamento do Governo", sustentou o deputado socialista, acrescentando ainda que o processo de privatização "foi feito à pressa".

O vencedor fica com 95% do capital social da EGF (Empresa Geral do Fomento), a empresa responsável pela recolha, transporte, tratamento e valorização de resíduos urbanos, através de 11 empresas de norte a sul do país que têm como acionistas a empresa estatal Águas de Portugal (51%) e os municípios (49%).

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG