Marcelo agradece ao presidente do Peru por acolher 700 mil venezuelanos

"Um esforço humanitário notável", afirmou o Presidente português, que recebeu o seu homólogo peruano em Lisboa, notando que muitos daqueles cidadãos são portugueses ou lusodescendentes. Os dois países concordam que a Venezuela deve resolver a crise interna de forma pacífica, com eleições e sem intervenções externas de caráter militar

"Temos uma posição coincidente relativamente àquilo que se vive naquele país (Venezuela), também pertencente ao mundo ibero-americano", declarou Marcelo Rebelo de Sousa.

O Presidente da República português falava aos jornalistas no Palácio de Belém, depois de uma reunião com o seu homólogo peruano, Martín Vizcarra, que realiza hoje e terça-feira uma visita oficial a Portugal.

"Defendemos uma solução pacífica, uma transição constitucional baseada em eleições livres. Não defendemos intervenções externas, nomeadamente de natureza militar. Somos defensores de um processo duradouro, mas pacífico. E por isso Portugal apoiou sempre o esforço do Grupo de Lima, em que o Peru tem tido um papel essencial", acrescentou Rebelo de Sousa.

"Por isso Portugal está hoje presente na reunião do Grupo de Lima, na Colômbia, para apreciar a situação vivida nos últimos dias e nos próximos tempos", acrescentou o chefe de Estado português.

O Grupo de Lima reúne-se hoje, em Bogotá, para discutir a crise na Venezuela, num encontro que contará com o líder da oposição venezuelana, Juan Guaidó, que se reunirá também com o vice-presidente norte-americano, Mike Pence.

Portugal participa na reunião do Grupo de Lima como observador, sendo representado pela embaixadora em Bogotá, Gabriela Soares de Albergaria, disse à Lusa o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva.

O Grupo de Lima é formado pelos chefes da diplomacia da Argentina, Brasil, Canadá, Chile, Colômbia, Costa Rica, Guatemala, Guiana, Honduras, México, Panamá, Paraguai, Peru e Santa Lúcia.

"Temos coincidências não só no campo político, mas também em decisões que consideramos as mais apropriadas e oportunas. Por exemplo, na questão da Venezuela, um país irmão, nosso vizinho na América do Sul, que consiga retornar à democracia", referiu o chefe de Estado peruano.

Martín Vizcarra garantiu apoio diplomático para que os venezuelanos, por decisão própria, "iniciem o caminho até a democracia", acrescentou.

Marcelo Rebelo de Sousa agradeceu ainda ao Presidente do Peru "o acolhimento de mais de 700 mil venezuelanos, vários dos quais portugueses ou lusodescendentes, sendo que destes 700 mil, 200 mil crianças".

"É um esforço humanitário notável", sublinhou o Presidente português.

Os dois chefes de Estado fizeram notar a coincidência de posições que existem entre os dois países em vários domínios, seja nos campos cultural, histórico, comercial, o que possibilita uma parceria duradoura.

"Não só no campo político há coincidências entre os dois países, mas também na defesa da democracia, dos direitos humanos, do livre comércio", disse Martín Vizcarra, referindo que Portugal e Peru são "parceiros estratégicos".

Para o chefe de Estado venezuelano, as relações comerciais têm-se incrementado entre os dois países devido a abertura do Peru e pela qualidade dos investimentos portugueses e assim, "com o passar dos anos, as relações têm-se fortalecido".

O Presidente peruano encontra-se hoje com o presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, e participará num jantar oferecido por Marcelo Rebelo de Sousa.

Na terça-feira, irá participar na abertura do Fórum Empresarial Portugal-Peru, na Associação Industrial Portuguesa (AIP).

Posteriormente, o Presidente peruano irá visitar a Assembleia da República, a Fundação Champalimaud e vai também se encontrar com o primeiro-ministro, António Costa, encontro no qual será assinado vários acordos.

O primeiro-ministro António Costa oferecerá um almoço em honra do Presidente Martín Vizcarra.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.