Trump quer europeus a gastar mais para comprarem armas aos EUA?

Vontade dos EUA em que os aliados aumentem despesas militares mais e mais depressa coincide com aposta da Europa em desenvolver base industrial de defesa comum

As pressões de Donald Trump para os europeus anteciparem o aumento das despesas militares, reafirmadas esta quinta-feira, só podem ser satisfeitas se os aliados comprarem sistemas de armas às empresas norte-americanas.

"Teríamos que comprar o que está à disposição no mercado e isso é bom para Donald Trump, que quer vender e isso é bom para as empresas norte-americanas", afirmou ao DN o coronel Nuno Pereira da Silva, especialista em assuntos de defesa europeus.

"Estamos a ganhar tempo para desenvolver tecnologias europeias, criar uma base industrial de defesa comum" que só se "consegue a médio prazo, talvez 2030", sublinhou o oficial.

A própria Comissão Europeia anunciou recentemente que "vai dar dinheiro para investigação e desenvolvimento" nesse domínio, criando mesmo um fundo próprio para a Defesa, acrescentou o militar, cuja carreira passou pela NATO e nas estruturas militares europeias.

As pressões de última hora de Donald Trump - interpretadas por alguns como ameaça de retirar os EUA da Aliança - levaram esta quinta-feira os líderes políticos da NATO a reunir de emergência em Bruxelas.

No fim, após o presidente norte-americano dizer que a sua grande insatisfação de quarta-feira com os aliados já era passado e estava muito satisfeito com os novos compromissos dos europeus, o homólogo francês afirmar que nada mudou: "Há um comunicado", publicado quarta-feira, que "é muito detalhado [e] confirma o objetivo de 2% até 2024", o que "é tudo."

Trump, além de querer que os europeus aumentem os gastos de defesa para 2% do PIB antes de 2024, insistiu no crescimento desse limite para a casa dos 4% a médio prazo - ficando por saber onde.

EUA gastam este ano 3,50% do PIB em Defesa, contra 1,47% do somatório dos orçamentos europeus e do Canadá

"A Europa não pretende ser uma superpotência. Quer ser um parceiro à escala global e credível em todo o lado, mas não dominar o mundo", frisou Nuno Pereira da Silva. "Não é esse o objetivo da UE", cujo somatório das despesas militares dos Estados membros não se traduz na correspondente capacidade operacional por causa das divisões nacionais.

Note-se que o orçamento militar dos EUA, segundo estimativas divulgadas esta semana pela NATO, foi de 3,57% do PIB em 2017 e 3,50% este ano - quando o total dos orçamentos dos aliados europeus e do Canadá chega aos 1,47%.

"Se o orçamento [europeu] fosse bem gasto e de forma cooperativa, era muito mais eficiente e eficaz. Mas isso só se resolve com a entrada da Comissão Europeia", observou ainda aquele coronel do Exército na reserva.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.