Sistema Costa Segura reduz "praticamente a zero" infrações nas Selvagens

Rede de radares nas 28 capitanias dos portos começou a ser criada em 2016 e terminou há uma semana, com a entrada em funções da estação de Setúbal.

A instalação de um radar do Sistema Costa Segura (CS) nas ilhas Selvagens, no verão de 2016, "reduziu praticamente a zero" as infrações cometidas naquelas águas e os autos de notícia lavrados pelas autoridades competentes, disse esta quarta-feira o subdiretor de faróis ao DN em Cascais.

O comandante Oliveira Santos falava à margem da cerimónia de conclusão da implementação do Sistema Costa Segura, presidida pela secretária de Estado da Defesa, Ana Pinto, e onde estiveram presentes o almirante Mendes Calado, Autoridade Marítima Nacional, e Carlos Carreiras, presidente da Câmara Municipal de Cascais, entre outras figuras.

Embora sem ter de memória os registos quanto ao número de infrações e autos de notícia anteriores à instalação do CS nas ilhas Selvagens, Oliveira Santos indicou a redução quase total desses quantitativos como um exemplo dos resultados concretos obtidos em matéria de exercício da autoridade do Estado no mar com esse sistema de radares.

O CS, explicou o diretor-geral da Autoridade Marítima (DGAM) e comandante-geral da Polícia Marítima (CGPM), vice-almirante Sousa Pereira, é um instrumento de apoio à decisão das autoridades marítimas locais (AML) - os 28 capitães de porto, no continente e regiões autónomas - cuja necessidade se tornou premente após o naufrágio da embarcação de pesca Olívia Ribau à entrada do porto da Figueira da Foz (2015).

Essa tragédia justificou então que a Autoridade Marítima equacionasse um sistema de comando e controlo para promover a segurança da navegação nas áreas dos portos e até às 24 milhas (limite da zona contígua), à margem da entidade responsável pela navegação no espaço marítimo português: a Autoridade Nacional de Controlo do Tráfego Marítimo (ANCTM), na dependência do Ministério do Mar.

Os meios então existentes nas capitanias só permitiam desenvolver ações reativas e exigindo a presença dos agentes nos locais, cujo papel das AML ficava limitado àquele espaço e implicava ações de coordenação complexas, lembrou Sousa Pereira. Agora, com o CS, os capitães de porto conseguem desencadear medidas preventivas, de forma remota e sabendo o que se passa num espaço mais alargado devido à capacidade dos radares e sensores de cada estação, acrescentou.

Segundo o comandante Oliveira Santos, continua a não haver ligação do CS ao Sistema de Controlo de Navios (VTS, sigla em inglês) operado pela ANCTM nem ao Sistema de Integrado de Vigilância, Comando e Controlo (SIVICC), operado pela GNR e na tutela do Ministério da Administração Interna (MAI) - dois sistemas onde o Estado já investira cerca de 85 milhões de euros até 2016.

O CS previa inicialmente a criação de 32 estações (24 fixas e oito remotas) com um custo estimado de 1,32 milhões de euros, mas acabou por ter mais quatro estações fixas - Póvoa de Varzim, Douro, Portimão e Porto Santo - e exigir um investimento superior a 1,5 milhões de euros, segundo os responsáveis da Autoridade Marítima.

Note-se que as chamadas estações remotas são computadores que permitem aos responsáveis da DGAM aceder e visualizar à distância, em tempo real, qualquer situação que esteja a ocorrer numa das 28 estações fixas - como foi esta quarta-feira demonstrado, com os presentes na cerimónia a assistirem a exercícios e demonstrações que estavam a realizar-se naquele momento em Setúbal, Funchal, Ponta Delgada e Selvagens.

Os meios de comando e controlo do CS permitem também aos capitães de porto, enquanto AML, ter mais capacidades para intervir também nas operações de busca e salvamento e ações de combate à poluição, duas das muitas competências que lhes estão atribuídas.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.