Santana Lopes: "A Aliança vai querer ganhar ao PS"

Líder do novo partido revela que informou Marcelo Rebelo de Sousa da saída do PSD e da criação da Aliança, explica que Rui Rio não o tentou demover e garante que não fará coligações com o PS

Pedro Santana Lopes concedeu uma entrevista ao Jornal da Noite da SIC a propósito da criação do seu novo partido, a Aliança. O político fez algumas revelações importantes, como, por exemplo, o facto de ter informado Marcelo Rebelo de Sousa de que ia deixar o PSD, após 40 anos de militância, para criar um novo partido.

Confrontado se a saída do seu partido de sempre tinha sido uma traição, Santana nega por completo esse sentimento. "Não, por amor de Deus. Democracia é liberdade, o que eu fiz e pensei disse na declaração de candidatura, que vinha para clarificar o PPD/PSD e seguir uma estratégia, disse em todas as sessões. O que me convenci é que as ideias que defendo não têm eco no PSD", justificou antes de detalhar. "Tentei dizer ao meu partido anterior 'não vão por aí, mas que estratégia é esta?'. Mas quem sabe disso é o Dr. Rui Rio. Mas se tiver que me coligar será com os que me estão mais próximos", assegurou para depois dar a garantia de que não vai "dar a mão a António Costa". Por outras palavras, não vai coligar-se com o PS para formar maioria absoluta.

Ainda no que diz respeito ao adeus ao PSD, Santana Lopes adianta que Rui Rio não o quis demover. "Falei com ele ao telefone um dia antes de enviar a carta aos militantes. Não fez nada para me demover mas antes já me tinha enviado uma mensagem simpática a dizer que esperava que não acontecesse [ndr. a saída do partido]."

Depois a ida a Belém e a ambição da Aliança: "Acho que o Presidente da República, pronto, nós sabemos que ele gosta de emitir opinião e tudo, mas até estranhei quando o ouvi dizer isso. Eu fui lá falar com ele. Fui-lhe dizer que isto resultava de uma convicção profunda. Não quis fazer nenhuma cisão. Aqueles que me deram razão não falaram e mais não vou dizer. O que me interessa é esta Aliança que estou a construir. As pessoas dizem que ando há 30 ou 40 anos nisto e o meu país tem 70% do rendimento per capita da UE, o sistema de saúde está a rebentar, a justiça demora dez anos e isso não é justiça. Vim para ganhar, a Aliança quer ganhar ao PS e ao Dr. António Costa, se os outros não querem ganhar é lá com eles. Vamos lutar para ganhar eleições, ninguém pode estranhar que queira ter tantos votos quanto seja possível ter."

Disposto a contrariar quem diz que o que pretende é visibilidade - "a minha cara não vai estar em outdoors e não vou ser candidato às europeias" - Santana Lopes explica que não virou "anti-PSD". "Faço isto por convicção, com todo o maior respeito pelas décadas que passei naquele partido. 40 anos não são quatro dias, saio de um grande partido para começar outro do zero e não andei a bater à porta de ninguém para vir comigo."

A finalizar, uma afirmação de profundo otimismo: "Vai correr bem, isto não engana, nunca senti uma adesão assim. Não venho para um dígito, venho para disputar eleitores."

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.

Premium

Crónica de Televisão

Cabeças voadoras

Já que perguntam: vários folclores locais do Sudeste Asiático incluem uma figura mitológica que é uma espécie de mistura entre bruxa, vampira e monstro, associada à magia negra e ao canibalismo. Segundo a valiosíssima Encyclopedia of Giants and Humanoids in Myth and Legend, de Theresa Bane, a criatura, conhecida como leák na Indonésia ou penanggalan na Malásia, pode assumir muitas formas - tigre, árvore, motocicleta, rato gigante, pássaro do tamanho de um cavalo -, mas a mais comum é a de uma cabeça separada do corpo, arrastando as tripas na sua esteira, voando pelo ar à procura de presas para se alimentar e rejuvenescer: crianças, adultos vulneráveis, mulheres em trabalho de parto. O sincretismo acidental entre velhos panteísmos, culto dos antepassados e resquícios de religião colonial costuma produzir os melhores folclores (passa-se o mesmo no Haiti). A figura da leák, num processo análogo ao que costuma coordenar os filmes de terror, combina sentimentalismo e pavor, convertendo a ideia de que os vivos precisam dos mortos na ideia de que os mortos precisam dos vivos.

Premium

Fernanda Câncio

O jornalismo como "insinuação" e "teoria da conspiração"

Insinuam, deixam antever, dizem saber mas, ao cabo e ao resto, não dizem o que sabem. (...) As notícias colam títulos com realidades, nomes com casos, numa quase word salad [salada de palavras], pensamentos desorganizados, pontas soltas, em que muito mais do que dizer se sugere, se dá a entender, no fundo, ao cabo e ao resto, que onde há fumo há fogo, que alguma coisa há, que umas realidades e outras estão todas conexas, que é tudo muito grave, que há muito dinheiro envolvido, que é mais do mesmo, que os políticos são corruptos, que os interesses estão todos conexos numa trama invisível e etc., etc., etc."

Premium

João Taborda da Gama

Aceleras

Uma mudança de casa para uma zona rodeada de radares fez que as multas por excesso de velocidade se fossem acumulando, umas atrás das outras, umas em cima das outras; o carro sempre o mesmo, o condutor, presumivelmente eu, dado à morte das sanções estradais. Diz o código, algures, fiquei a saber, que se pode escolher a carta ou o curso. Ou se entrega a carta, quarenta e cinco dias no meu caso, ou se faz um curso sobre velocidade, dois sábados, das nove às cinco, na Prevenção Rodoviária Portuguesa.

Premium

Catarina Carvalho

Querem saber como apoiar os media? Perguntem aos leitores

Não há nenhum negócio que possa funcionar sem que quem o consome lhe dê algum valor. Carros que não andam não são vendidos. Sapatos que deixam entrar água podem enganar os primeiros que os compram mas não terão futuro. Então, o que há de diferente com o jornalismo? Vale a pena perguntar, depois de uma semana em que, em Portugal, o Sindicato dos Jornalistas debateu o financiamento dos media, e, em Espanha, a Associação Internacional dos Editores (Wan-Ifra) debateu o negócio das subscrições eletrónicas.