Rio ganha pontos a Costa. BE e CDU em terceiro e quarto lugar, CDS desce e PAN cresce

Sondagem da Pitagórica para o JN, TSF e TVI indica que líder do PSD/PPD ganha pontos depois do debate com António Costa e o fosso entre os dois volta a reduzir. No entanto, ainda se encontram separados por 14 pontos percentuais - PS (40,6%) e PSD (26,6%).

Um dia depois do debate entre os líderes dos dois maiores partidos, a Pitagórica avançou para o terreno para fazer uma sondagem para o JN, TSF e TVI. Durante quatro dias (ver ficha técnica em baixo) foi perguntado aos eleitores se mudaram a sua opinião sobre os candidatos, António Costa e Rui Rio.

O líder do PSD-PPD ganhou pontos ao conseguir um saldo positivo de 18,8 pontos percentuais em relação ao líder do PS, revelam o JN e a TSF nos seus sites. O novo e último debate antes das eleições de 6 de outubro acontecerá na segunda-feira nas rádios, com transmissão em simultâneo na Antena 1, TSF e Renascença, às 10.00.

Depois do debate de dia 16, António Costa recebeu mais notas negativas dos eleitores portugueses, registando um saldo negativo de 8,4 pontos percentuais. No entanto, esta quebra no desempenho de Costa não se traduziu numa perda de votos para o PS, nas eleições de 6 de outubro.

Segundo o JN, comparando os resultados do barómetro publicado a 16 de setembro com as projeções de agora, o PS até consegue mais 1,4 pontos percentuais. Rui Rio aproxima-se porque o PSD está a crescer mais depressa: são mais 2,3 pontos percentuais do que o resultado de há uma semana.

Esta sondagem mostra ainda que o PS regista vantagem junto dos eleitores mais velhos e que o PSD, ainda que por uma margem pequena, consegue liderar entre as camadas até aos 44 anos. O partido de Rui Rio lidera ainda nas intenções de voto entre os que têm rendimentos altos, perdendo expressão nas camadas com menos rendimentos. No PS, passa-se o contrário, quanto menor o rendimento, maior é o apoio a este partido.

O Jornal de Notícias refere também que o partido de Costa lidera em todas as frentes em termos regionais, embora com algumas nuances nas áreas metropolitanas de Lisboa e do Porto. A vantagem sobre o PSD é maior do que nas regiões Norte e Sul, em que a diferença é de apenas dois ou três pontos percentuais. No entanto, e segundo o JN, é de salientar que os resultados obtidos neste segmento "deve ser lida com reservas, uma vez que se trata de amostras com um número muito reduzido de inquiridos".

BE e CDU mantém posições

A sondagem da Pitagórica para o JN,TSF e TVI revela que o BE continua em terceiro lugar, com 8,8%, e a CDU em quarto, com 6,8%, mas perdem cerca de um ponto percentual relativamente à sondagem publicada a 16 de setembro, com o Bloco a ser o mais penalizado.

O CDS regista 5,2% das intenções de voto. Ou seja, marca uma descida de quatro décimas. Uma quebra igual ao Aliança de Santana Lopes (que tem agora 1,1%). O Iniciativa Liberal, que chegou a ter 1,3% no barómetro de agosto, está agora com um irrelevante meio ponto percentual.

PAN cresce

Só o PAN volta a crescer, ainda que apenas algumas décimas, passando para os 3,6% nesta sondagem, havendo um pormenor que pode fazer diferença: um bom resultado na região de Lisboa, que é o maior círculo eleitoral do país.

Ficha técnica da sondagem

Durante 4 dias (17 a 20 de Setembro 2019) foram recolhidas diariamente pela Pitagórica para a TVI, o JN e a TSF uma sub-amostra de 150 entrevistas representativa do universo eleitoral português (não probabilístico) tendo por base os critérios de género, idade e região. O resultado do apuramento dos 4 últimos dias de trabalho de campo, implica uma amostra 600 indivíduos que para um grau de confiança de 95,5% corresponde a uma margem de erro máxima de ±4,07%.

A seleção dos entrevistados foi realizada através de geração aleatória de números de "telemóvel" mantendo a proporção dos 3 principais operadores identificados pelo relatório da ANACOM, sempre que necessário são selecionados aleatoriamente números fixos para apoiar o cumprimento do plano amostral. As entrevistas são recolhidas através de entrevista telefónica (CATI - Computer Assisted Telephone Interviewing).

O estudo tem como objetivo avaliar a opinião dos eleitores Portugueses, sobre temas relacionados com as eleições, nomeadamente os protagonistas, os momentos da campanha bem como a intenção de voto nos vários partidos.

A taxa de resposta foi de 60,06% e a direção técnica do estudo é da responsabilidade de Rita Marques da Silva. A Ficha técnica completa bem como todos os resultados foram disponibilizados junto da Entidade Reguladora da Comunicação Social que os disponibilizara oportunamente para consulta online