PSD. "Se o PS quiser haverá Lei de Bases da Saúde"

Os sociais-democratas lançaram um último desafio e passam a bola ao governo e ao PS para seja viável uma nova Lei de Bases da Saúde. Só haverá consenso se os socialistas aceitarem negociar propostas do PSD. Esta sexta-feira, são votadas as medidas em sede de comissão e ficará claro se PS e PSD conseguem o difícil entendimento

O PSD fez um ultimato ao PS e ao governo. Só se aceitarem negociar proposta do PSD para uma nova Lei de Bases da Saúde é que se "poderá chegar a um consenso", diz ao DN o deputado Ricardo Batista Leite, que também é o porta-voz do partido para a área da Saúde. Sem o acordo à esquerda, esta é a única forma de salvar um novo diploma.

"Estamos à espera da resposta do PS", afirma Ricardo Batista Leite. Sublinha que o PSD apresentou uma proposta de Lei de Bases que é uma "evolução da lei de 1990", que "agora foi posta em causa pelo Bloco e pelo PS". Em comissão parlamentar de , diz, "verificámos que todas as inovações propusemos forma sistematicamente rejeitadas com o voto contra do PS". E continuando assim o PSD vetará as propostas do governo, que também não têm o apoio do Bloco de Esquerda. O que ditará o "enterro" de uma nova Lei, após meses de negociações no Parlamento.

"Estamos à espera da resposta do PS"

"A nova Lei de Bases está nas mãos do PS e do governo", afirma o deputado social-democrata. "Não podemos ter uma lei de bases sectárias e representativa apenas de um setor da sociedade e que, no futuro, limite a governação nesta área", insiste Ricardo Batista Leite. "Esperamos que o PS faça propostas de alteração do nosso projeto que é moderado e inclusivo e que não altera a filosofia do SNS".

O PSD rejeita assim a possibilidade de viabilizar uma lei de bases cozinhada entre o PS e os partidos à esquerda, embora a versão final já não tenha o apoio do BE.

"Não podemos ter uma lei de bases sectárias e representativa apenas de um setor da sociedade e que, no futuro, limite a governação nesta área"

A polémica das PPP

Um dos pontos de maior discórdia do novo diploma incidiu sobre a questão das Parcerias Público-Privadas (PPP). A versão final apresentada pelo governo apesar de não proibir taxativamente a existência das PPP na Saúde, impõe condições muito mais restritivas para recurso, Mas isso não chegou para aproximar a posição do BE. Ao Expresso uma fonte do governo criticava: "Do lado do Bloco de Esquerda existe uma enorme intransigência para manter uma lei que permite PPP de toda a maneira e feitio sem qualquer limitação (ao chumbar a nova proposta mantém-se a atual em vigor). Percebo que não subscrevam, mas compreendo menos que votem contra".

Em abril, o Bloco tornou público que existia acordo com o governo, após longas negociações, para terminar com a possibilidade das PPP na Saúde na nova versão da Lei de Bases. Mas o governo veio imediatamente rejeitar que o consenso tivesse existido sobre essa matéria, alegando que o suposto acordo era apenas uma "versão de trabalho". Chegou mesmo a haver um comunicado da Secretaria de Estado dos Assuntos Parlamentares a rejeitar a tese de acordo.

Foi em plena celebração do 25 de abril, que o Bloco reagiu em "estado de choque" ao que classificou de "recuo" do governo sobre as PPP na Saúde e anunciou que, desta forma, contariam com o voto contra da bancada bloquista. Este foi, aliás, um dos momentos de maior crispação entre o governo e o BE, partido que o apoia no Parlamento.

Neste processo negocial, o PCP teve sempre uma posição menos intransigente do que o Bloco e deixou margem para o governo apertar mais a malha às parcerias público-privadas. É por isso que também ao Expresso, fonte do governo separa a posição dos dois partidos à esquerda. "O PS tem mantido uma posição de abertura, com atitude recíproca do PCP. O PS e o PCP foram fiéis ao processo negocial e foram o mais longe que puderam. Nada do que foi negociado com o PCP põe em causa o que foi solicitado pelo Presidente da República e as linhas vermelhas do PSD".

Apelo de Marcelo e propostas do PSD

Em pleno diferendo governo/BE sobre a Lei de Bases, o Presidente da República tomou posição sobre o assunto. Para Marcelo Rebelo de Sousa era "irrealista" uma proposta de lei que não contemplasse a possibilidade das PPP. Defendeu que os privados são uma "válvula de escape" importante para o Serviço Nacional de Saúde e que esta posição "não é ideológica" , mas antes sustentada na "sensatez" e "pragmatismo".

O PSD esteve em sintonia com o Presidente e além das PPP defende, entre outras coisas, no seu projeto que a gestão da saúde deve evitar a concentração exclusiva no Estado e os cuidados de saúde deverão ser prestados aos cidadãos também pelos privados e pelo setor social.

A proposta laranja centra-se também no cuidado aos mais idosos e defende uma nova aposta ao nível da saúde pública, com a descentralização e municipalização de competências, cabendo ao estado garantir os meios financeiros. O projeto social-democrata reforça ainda a aposta na rede de cuidados continuados e paliativos e a figura do cuidador informal.

Depois de um resultado eleitoral mau nas europeias, o PSD terá dificuldade em dar a mão ao governo nesta reforma se o PS realmente não fizer um esforço de aproximação. A não verificar-se ficará em vigor uma Lei de Bases da Saúde que data de 1990, do era cavaquista.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?