PSD. Mercês Borges votou o Orçamento por Barreiras Duarte

Deputada social-democrata diz que já carregou no botão por vários colegas e que não é só no seu partido que isso acontece

Foi a deputada Maria das Mercês Borges que votou o Orçamento de Estado para 2019 por Feliciano Barreiras Duarte.

A parlamentar do PSD, coordenadora pelo partido na Comissão do Trabalho e Segurança Social, presidida pelo próprio Feliciano, registou o colega às 18:31 do passado 30 de outubro, cinco horas depois de este ter saído do Parlamento para acorrer a uma urgência hospitalar com o filho - avança o Observador.

À publicação online, Maria das Mercês Borges admitiu que "é possível ter carregado no botão" no momento em que foi verificado o quórum para a votação do OE na generalidade, o que leva o sistema a admitir imediatamente a presença do deputado que afinal não se encontrava. No entanto, a deputada social-democrata garante que não foi ela a fazer a entrada no computador com o login de Barreiras Duarte.

"Não consigo precisar se o registei, se carreguei ou não carreguei. Sei que ele saiu em pânico por causa do filho, totalmente desesperado, por isso posso ter carregado porque fazemos isso muitas vezes. Se quiserem pôr as imagens que mostram isso, coloquem, eu não vou dar uma conferência de imprensa como a outra deputada."

Ao referir outra deputada, Mercês Borges estava a falar de Emília Cerqueira, que assumiu publicamente ter sido ela a registar as falsas presenças do secretário-geral do PSD, José Silvano, em duas sessões plenárias da Assembleia da República.

A deputada Maria das Mercês Borges, eleita pelo círculo de Setúbal, afirma ao Observador que pode "ter carregado no botão porque a ideia que tinha era que Feliciano ia voltar. Não foi com nenhum instinto de maldade, não foi por vigarice". E acrescentou: "Que atire a primeira pedra quem não sabe que isto acontece". Disse ainda que já carregou no botão por vários colegas. "Isto não é só no PSD que acontece, é e todas as bancadas."

Fonte autorizada por Feliciano Barreiras Duarte, diz que o deputado não pediu a ninguém que votasse por ele. "Não teve qualquer vantagem pecuniária ou política por se ter ausentado, o seu voto ou ausência dele era irrelevante para o resultado final da votação, dado que havia disciplina de voto e o PSD votava em bloco. E já se dirigiu aos serviços do Parlamento pedindo para marcarem falta à votação e justificando as razões da ausência."

Feliciano Barreiras Duarte este presente na Assembleia da República desde o início da sessão parlamentar, às 10:00, mas saiu pouco depois das 13.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.