PS com o dobro das intenções de voto do PSD a menos de três meses das eleições

Partido liderado por António Costa está a subir nas indicações de voto, segundo sondagem publicada pelo JN e TSF.

O Partido Socialista está a ganhar votos no centro político nacional. Esta é uma das conclusões da sondagem que o JN e a TSF publicaram na manhã desta segunda-feira e que mostra que se as eleições legislativas fossem hoje o PS chegaria aos 43,2% das intenções de voto, exatamente o dobro do PSD - 21,6%.

A sondagem efetuada pela Pitagórica indica ainda que o Bloco de Esquerda continuaria a ser a terceira força política com 9,2% dos votos, seguindo-se a CDU (6,8%), CDS-PP (6%), PAN (3,6%) e a Aliança (1,2%). Este estudo aponta para 23,5% de indecisos e para 7,6% de brancos, nulos e outros.

Face à última estimativa, o PS ganharia agora mais votos (40,4% em maio), tal como o BE (8,2% em maio) e a CDU (6,5% em maio). O PSD, o CDS e a Aliança perderiam nas intenções, (22,5%, 6,1% em maio e 1,5%, respetivamente). O PAN obteria a mesma percentagem, 3,6%.

Neste estudo de opinião, Pedro Santana Lopes (líder do Aliança), Jerónimo de Sousa (CDU) e Assunção Cristas (CDS-PP) surgem como os responsáveis políticos com pior prestação para os inquiridos.

Outro dos destaques da sondagem é o facto de os dados indicarem a possibilidade de o PAN (Pessoas-Animais-Natureza) poder eleger deputados em Lisboa e Porto nas eleições legislativas marcadas para 6 de outubro. É que os 3,6% de votos previstos no estudo deverão ser conseguidos nas duas principais cidades do país.

A sondagem da Pitagórica, com o objetivo de avaliar a intenção de voto nas eleições legislativas, foi realizada entre 8 e 14 de julho, através de 800 entrevistas telefónicas e apresenta uma margem de erro de +4/-3,5% para um nível de confiança de 95,5%.

Exclusivos

Premium

Contratos públicos

Empresa que contratava médicos para prisões não pagou e sumiu

O Estado adjudicou à Corevalue Healthcare Solutions, Lda. o recrutamento de médicos, enfermeiros, psicólogos e auxiliares para as prisões. A empresa recrutou, não pagou e está incontactável. Em Lisboa há mais de 30 profissionais nesta situação e 40 mil euros por pagar. A Direção dos Serviços Prisionais diz nada poder fazer.