Primeiro 14 anos; agora 12. Oliveira Costa continua fora da prisão

Em maio do ano passado foi condenado a 14 anos, numa sentença que pode ser agravada. E agora a 12 anos. Foi um dos homens do PSD de Cavaco Silva. Continua fora da prisão

Depois de uma primeira condenação de José Oliveira Costa, em maio de 2017, a 14 anos de prisão efetiva no chamado processo principal do caso BPN - de que a sua defesa recorreu - por crimes de abuso de confiança, burla qualificada, falsificação de documentos, infidelidade, aquisição ilícita de ações e fraude fiscal, o antigo banqueiro do Banco Português de Negócios ouviu esta segunda-feira uma segunda sentença, que o condenou agora a 12 anos.

Num caso de especial complexidade, o Tribunal da Relação baralhou ainda mais ao mandar para trás a primeira sentença porque, como noticiou o Expresso, no início deste mês, o tribunal de primeira instância esqueceu-se de decidir sobre um dos crimes de que era acusado o ex-presidente do BPN, o crime de abuso de confiança, podendo ver assim a sua primeira sentença alargada em vários anos.

Mais de dois anos depois de ter sido concluída a produção de prova no principal julgamento do caso BPN, foi lida agora a segunda sentença de Oliveira Costa, o antigo secretário de Estado do governo de Cavaco Silva e presidente da administração do banco, hoje com 83 anos, num processo que começou a ser julgado em dezembro de 2010 - neste novo processo extraído do primeiro, o ex-banqueiro foi condenado por crimes de burla qualificada e fraude fiscal.

Nas alegações finais deste segundo processo, feitas em outubro de 2017, o Ministério Público pediu a condenação a prisão efetiva para o antigo ministro da Saúde Arlindo Carvalho, que também foi condenado, bem como para Oliveira Costa e restantes arguidos, deixando ao critério do coletivo de juízes a medida da pena a aplicar.

Com novo recurso, que a defesa de Oliveira Costa antecipou, o antigo secretário de Estado continuará fora da prisão.

José Oliveira Costa nasceu em 30 de agosto de 1935 e desde cedo destacou-se no PSD, apoiando Cavaco Silva no Congresso da Figueira da Foz, quando o ex-presidente da República se candidatou e ganhou a presidência do partido.

O economista, que conta com passagens em bancos como o Banco de Portugal, Banco Nacional Ultramarino, Banco Pinto & Sotto Mayor e ainda o Finibanco, presidiu à Comissão Política Distrital do PSD de Aveiro, de onde é natural, e eleito deputado à Assembleia da República em 1987, na primeira maioria absoluta de Cavaco Silva.

Nesse ano, o primeiro-ministro eleito convidou-o para secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, quando Miguel Cadilhe era ministro das Finanças. Deixou o Governo em 1991 e o executivo indicou-o para representar o país no Banco Europeu de Investimentos. Regressou em 1994 para o Finibanco.

A nacionalização do Banco Português de Negócios (BPN) em 2008 foi a primeira em Portugal depois de 1975 e a queda do banco deu origem a vários processos judiciais. Quatro anos depois de ter sido posto sob a gestão da Caixa Geral de Depósitos, em 2012, o BPN foi vendido ao Banco BIC Português, entidade de capitais luso-angolanos.

com Lusa

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?