Portugueses na Europa. "Nunca vivenciei na Irlanda uma reação ou um comentário anti-Europa"

Como é que a Europa é vista no país onde vive? É a pergunta do DN aos portugueses que vivem em diferentes países da UE.

Rogério Cruzeiro, Informático, engineering manager numa multinacional, 35 anos, há sete anos em Dublin.

"Nunca vivenciei uma reação ou um comentário anti-Europa. Existe uma relação difícil entre a Irlanda e a Inglaterra, um pouco como acontece entre Portugal e Espanha, e que tem a ver com questões históricas.

Em relação ao que se está a passar com o Brexit, as opiniões divergem de acordo com quem se fala. Se falar com os irlandeses mais velhos, prevalece a questão histórica e há uma certa ronha na forma como analisam todo o processo (foram ocupados pelos ingleses). Entre a geração mais nova, o Brexit é um não-assunto, é falado quase ao nível da piada. Mas os Irlandeses têm noção que o Brexit lhes sairá caro. O Reino Unido é o maior parceiro comercial da Irlanda e qualquer flutuação na sua economia tem impacto direto na Irlanda. Além de que existem imensos laços familiares entre os dois países.

A relação que os irlandeses têm com a UE é muito saudável, não imagino que acontecesse algo comparável com a situação do Reino Unido, muito menos agora, com o que se está a passar em todo este processo do Brexit. Passam a vida a viajar para a Europa, adoram Portugal e Espanha. As viagens são muito baratas, basta referir que a Ryanair é irlandesa,

Vivo em Dublin, onde a multiculturalidade é avassaladora. Dirijo uma equipa de seis pessoas na minha empresa e não há uma nacionalidade que se repita, tem um espanhol, um brasileiro, um russo, um croata, um paquistanês e um português (eu). Esta diversidade de pessoas, a facilidade de comunicação e de circulação pela Europa, é algo que acontece muito naturalmente."

Exclusivos

Premium

Espanha

Bolas de aço, berlindes, fisgas e ácido. Jovens lançaram o caos na Catalunha

Eram jovens, alguns quase adultos, outros mais adolescentes, deixaram a Catalunha em estado de sítio. Segundo a polícia, atuaram organizadamente e estavam bem treinados. José Manuel Anes, especialista português em segurança e criminalidade, acredita que pertenciam aos grupos anarquistas que têm como causa "a destruição e o caos" e não a luta independentista.