Partidos reagem à mensagem de Marcelo

PCP aplaude foco do Presidente na justiça social e propõe "política alternativa", Bloco de Esquerda aponta "ponto fraco" à mensagem, considerando a UE como o problema, CDS quer ser "alternativa a um governo muito mau" e PS partilha "todas as preocupações".

Numa mensagem de Ano Novo em que pediu uma economia forte, uma sociedade justa e políticos confiáveis, Marcelo Rebelo de Sousa, dirigindo-se aos portugueses no começo de um ano de eleições, insistiu na necessidade de uma maior justiça social e apelou à defesa da democracia, afirmando: "Pensem como demorou tempo e foi custoso pôr de pé uma democracia e como é fácil destruí-la, com arrogâncias intoleráveis, promessas impossíveis, apelos sem realismo, radicalismos temerários, riscos indesejáveis"

Os principais partidos políticos, à exceção do PSD, já reagiram à mensagem do Presidente.

Luís Fazenda, dirigente do Bloco de Esquerda, viu no apelo à defesa da democracia expresso na mensagem do Presidente a "necessidade do combate à extrema-direita, aos Bolsonaros deste mundo", disse, sublinhando que o BE pretende levar esse combate "adiante".

Todavia, o dirigente apontou um "ponto fraco" da mensagem de Marcelo que, apesar de apelar à defesa da democracia, "nos encaminha cada vez mais para as políticas da União Europeia" e essas, considera, contêm uma "contradição insanável com esses objetivos do desenvolvimento da justiça social".

Referindo-se também à "exigência" a que Rebelo de Sousa apelou, o dirigente afirmou que o Bloco estará exigente - "connosco e com terceiros" - para, entre outros aspetos, "garantir os direitos dos trabalhadores, alterar a legislação laboral e salvar o Serviço Nacional de Saúde".

João Dias Coelho, do PCP, que começou por "saudar o povo português pela sua luta que permitiu repor e conquistar direitos durante o ano de 2018", considerou, face à insistência do Presidente na justiça social, que para os comunistas uma melhor distribuição da riqueza significa o aumento dos rendimentos, a melhoria dos salários, das reformas, das pensões".

"Fica demonstrado que não há caminho alternativo, não é possível uma melhoria, se não houver uma política alternativa. É essa política que o PCP propõe ao país", afirmou Dias Coelho à SIC, referindo-se a uma política "que rompa com a que PS, PSD e CDS impuseram ao povo português".

O vice-presidente do CDS Nuno Melo reagiu à mensagem de Marcelo Rebelo de Sousa sublinhando que o Presidente apelou a escolhas exigentes e que o CDS "será expressão dessa exigência".

O cabeça de lista do partido às eleições europeias de 2019 referiu ainda que o CDS "é uma alternativa a um governo muito mau, a um governo falhado". O dirigente centrista fez um elenco das razões pelas quais considera que o atual governo socialista "dificilmente faria pior": dos "aumentos da lista de espera" na saúde à situação na CP, aos incêndios ou à estrada municipal que ruiu em Borba.

A secretária-geral adjunta do PS, Ana Catarina Mendes, afirmou à Lusa partilhar "todas as preocupações" referidas pelo Presidente da República na sua mensagem de Ano Novo, considerando que os próximos tempos exigem "bom senso" na governação.

Para a número dois da direção dos socialistas, "o Presidente da República fez um apelo fortíssimo que o PS também tem vindo a fazer ao longo dos tempos".

"A exigência de reforçar a democracia significa dar credibilidade a quem todos os dias tem de executar as políticas, dar respostas concretas às pessoas e não nos deixarmos cair em extremismos e radicalismos que atingem outros países europeus. Só com uma democracia robusta podemos combater os fenómenos populistas", acrescentou.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.