Partidos devem evitar "berrar" sobre a Venezuela, avisa Marcelo

Presidente pede para partidos evitarem usar a situação naquele país como arma de arremesso durante a campanha eleitoral. Pode ser prejudicial para os portugueses que lá vivem

Marcelo Rebelo de Sousa pede prudência aos partidos para evitarem usar a Venezuela como arma de arremesso na campanha eleitoral. "Começar a berrar" sobre o que se deve fazer para apoiar os emigrantes portugueses nesse país sul-americano pode ser prejudicial, avisou o Presidente da República em entrevista à Rádio Renascença.

"Para alguns, pode ser muito interessante, erradamente, começar a berrar em torno disso, mas podem prejudicar os nossos compatriotas que lá estão. O que tem que ser feito, tem que ser feito de uma forma que não é pública", alertou.

Para Marcelo, os portugueses na Venezuela já estão a ser apoiados da forma que devem ser apoiados. "Há um reforço de meios de toda a natureza para apoio aos portugueses", sobretudo para os que têm estabelecimentos comerciais, explicou, e "sentem na rua os efeitos da crise económica e social". Mas esse apoio é feito discretamente, sem ondas.

A ideia, antecipou o Chefe do Estado, é "pacificar, a começar pelo espírito das pessoas", o que se faz sem "levantar ondas, nem criar especulações, nem suscitar problemas que depois são contraproducentes para os nossos nacionais".

O Presidente confirmou que tem "acompanhado a par e passo" a situação no país e garantiu que, tanto da parte da Presidência como do Governo, "existe uma permanente preocupação com a nossa comunidade".

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.